Empresas buscam capital de risco para ampliar negócios

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 2 de março de 2003 as 09:37, por: cdb

Como alternativa de crédito a empresas com potencial para a ampliação do faturamento, em curto prazo – casos geralmente previstos na área de tecnologia – fundos de investimento têm entrado como “sócio” que viabilize a implantação ou a ampliação do negócio.

Essas carteiras reúnem o capital de investidores que esperam obter alta rentabilidade com empresas que crescerão muito em pouco tempo. “Procuramos boas oportunidades para investir, mas a empresa tem de provar que tem potencial para crescer com vigor”, conta André Burger, 42, sócio-diretor da SPFundos, que administra uma carteira de R$ 24 milhões e aplica entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões por empresa.

A principal vantagem do sistema, apontada pelo consultor do Sebrae Luiz Ricardo Grecco, é que, ao fazer o aporte, o fundo passa a compartilhar os riscos com o empresário. “O banco não quer saber se a empresa deu certo para cobrar o empréstimo.”

Outros aspectos atraentes são o prazo de dois a cinco anos, quando o fundo vende sua fatia para o empreendedor, e o pouco mensurável e aporte de habilidades, que inclui experiência em gestão e rede de contatos.

A modalidade é pouco difundida no Brasil, em parte porque o foco de interesse dos investidores é restrito, em parte porque os empresários não conhecem o sistema e suas exigências ou resistem a ter o fundo como sócio.

“O grande problema é fazer o empresário entender a necessidade de uma pesquisa rigorosa e de um projeto confiável”, avalia Antonio Lombardi, 31, gerente de novos negócios do escritório De Rosa Siqueira Advogados Associados, que faz projetos de investimento para fundos de capital.

A disposição dos fundos não representa dinheiro fácil. “Os critérios são rigorosos”, avisa Burger. Junto com o dinheiro, vem um sócio exigente que cobrará, entre outros, o cumprimento do plano de crescimento, cobrará desempenho e resultados e compartilhará decisões. “Não é uma opção para quem tem a empresa como extensão do lar.”