Empresa lança supercomputador de baixo consumo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 31 de agosto de 2004 as 12:19, por: cdb

O lançamento de nova classe de supercomputadores pessoais com baixo consumo de eletricidade pode mudar a lógica dos investimentos no setor. A Orion Multisystems, comandada por dois dos co-fundadores da Transmeta, que projeta chips de baixo consumo de eletricidade, anunciou hoje que tem por objetivo criar “supercomputadores pessoais” para atender aos pesquisadores, projetistas e outros usuários de computadores de alto desempenho.

Colin Hunter, presidente-executivo da Orion, disse que sua empresa pode aproveitar a vasta disparidade de desempenho que surgiu entre os supercomputadores e os computadores pessoais. Estes funcionam a cerca de dois bilhões ou três bilhões de ciclos por segundo, enquanto os supercomputadores operam com velocidade da ordem de um trilhão de ciclos por segundo.

Aproveitando uma antiga estratégia do setor de computação, a Orion quer recriar a demanda por estações de trabalho projetadas sob medida que combinem chips de computador disponíveis em grande volume e uma arquitetura inovadora, superando assim os computadores existentes.

É uma estratégia que a Sun Microsystems usou 20 anos atrás para ultrapassar a IBM e a Digital Equipment, hoje subsidiária da Hewlett-Packard, e terminou por propiciar poder de computação muito mais elevado para os pesquisadores.

“Minha expectativa é a de que desfrutaremos de alguns anos de liderança no mercado antes que os grandes concorrentes apareçam”, disse Hunter em entrevista sobre a vantagem que ele acredita que a Orion tenha sobre nomes estabelecidos como Sun, IBM e Hewlett-Packard.

A Orion quer criar um mercado alternativo para seus computadores, acionados pelo sistema operacional Linux e que usam conjuntos de chips interligados em paralelo.

Uma inovação importante é o controle do consumo de energia de todos os componentes, de modo que o sistema possa ser acionado por meio de uma tomada elétrica comum, de acordo com pesquisadores acadêmicos que estão entre os primeiros clientes da Orion.

A empresa oferece dois modelos de sua Cluster Workstation, ambos mais rápidos que um computador comum. O primeiro, ao preço de 10 mil dólares, tem o tamanho de uma caixa de pizza e espaço para 12 processadores. O segundo, que custa 100 mil dólares ou mais, tem o tamanho de um computador de mesa normal, e oferece espaço para 96 chips. Ambos usam chips Transmeta.