Empregos e lucros corporativos devem animar Wall Street

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 4 de abril de 2010 as 14:00, por: cdb

O otimismo sobre a melhora do mercado de trabalho e lucros corporativos pode motivar valorização das ações nos Estados Unidos nesta semana, à medida que a temporada de balanços se aproxima.

Analistas esperam que os negócios nas bolsas norte-americanas no começo da semana que vem sejam ditados pelo relatório do governo de sexta-feira mostrando que a economia criou 162 mil postos de trabalho em março, o maior ritmo em três anos. O mercado acionário esteve fechado pelo feriado da Sexta-feira Santa.

– As coisas estão melhorando. Não há dúvida sobre isso. Tivemos uma recuperação em ‘V’ notável desde março –, disse o diretor de operações da Kabrik Trading, Alan Valdes, em Nova York.

O mercado pode também ter um grande momento diante da expectativa de uma forte temporada de resultados corporativos.

O índice de ações Standard & Poor’s 500 cravou seu quarto trimestre consecutivo de ganhos no encerramento de março e teve no mês passado seu melhor desempenho mensal desde julho do ano passado. Para o primeiro trimestre, o S&P avançou 4,9%. Em março apenas, o indicador ganhou 5,9%.

Na quinta-feira, o índice terminou em 1.178 pontos, maior nível em 18 meses.

O Dow Jones, enquanto isso, enfrenta a importante barreira psicológica dos 11 mil pontos, que pode ser rompida na segunda-feira se houver entusiasmo suficiente com o relatório sobre o mercado de trabalho.

Os índices futuros de Wall Street subiram na sexta-feira.

Contudo, com o S&P acumulando alta de 74% desde março de 2009, há temores de que o rali possa ser interrompido com qualquer sinal de que a economia não continuará se fortalecendo.A ideia de uma recuperação da economia auto-sustentável, que é a tese da alta do mercado, será testada”, disse o presidente da Seabreeze Partners Management, Doug Kass, em Palm Beach, Flórida,.

Analistas esperam que as companhias que integram a carteira do índice S&P 500 reportem alta de 36,3% no lucro do primeiro trimestre, de acordo com dados da Thomson Reuters.

Isso é ligeiramente menos que o crescimento de 37,2% que era previsto em janeiro e bem menos que o avanço de 51,2% que era antecipado em outubro.

Ainda que as previsões sejam menos otimistas, as previsões dos analistas podem agora ficar mais perto da realidade, o que não ocorreu em trimestres recentes, disse o estrategista sênior de ações no Wells Fargo, Scott Wren, em St. Louis.

– Acho que as pessoas estão tendo um sentimento melhor e mais realista de como serão os lucros agora –, afirmou Wren.

A gigante de alumínio Alcoa abre a temporada de balanços nos EUA no próximo dia 12.

Até agora, 70 empresas do S&P 500 deram sinais negativos sobre o desempenho trimestral, enquanto 55 companhias forneceram previsões positivas.