Emprego na indústria cresce 1,2% no primeiro trimestre de 2007

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de maio de 2007 as 19:17, por: cdb

O emprego na indústria fechou o primeiro trimestre de 2007 com alta de 1,2% em relação ao último trimestre do ano passado. No mês de março, as contratações na indústria cresceram 0,4% na comparação com fevereiro, e 1,7% frente a março do ano passado. A taxa de 1,7% é a maior registrada na comparação com períodos semelhantes de anos anteriores desde maio de 2005.

As informações são da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário, divulgada nesta segunda-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para Denise Cordovil, economista da Coordenação de Indústria do IBGE, os dados positivos indicam que a recuperação do setor industrial observada desde o final do ano passado começa se refletir de forma mais significativa no emprego.

– Esse primeiro trimestre mostra que o movimento de recuperação na atividade industrial também começa a ser observado no emprego. Ao longo de 2006 o emprego vinha gradativamente melhorando, e a partir do segundo semestre começou a mostrar resultados positivos -, analisou.

Segundo a economista, isso mostra que o emprego vem respondendo com mais clareza ao aumento do ritmo da atividade industrial, principalmente na produção de bens de capital e de bens intermediários. 

O levantamento do IBGE mostrou que o incremento no emprego na indústria foi observado na
maioria dos locais e também dos segmentos investigados. Os setores em que o emprego mais cresceu, tanto nos resultados do mês de março quanto no fechamento do primeiro trimestre, foram os de alimentos e bebidas, o de produtos de metal e o de meios de transporte.

De acordo com a economista do IBGE o aumento as contratações no setor de alimentos e bebidas são resultado do aumento de renda e das exportações de commodities (produtos primários mais valorizados no mercado internacional).

No caso dos produtos de metal o avanço é decorrente dos incentivos observados na construção e em relação à indústria voltada para os meios de transporte o crescimento do emprego se deve ao aumento do crédito e à redução da taxa de juros que vem favorecendo as vendas de veículos.

O levantamento do IBGE também apontou aumento de 0,8% no número de horas trabalhadas pagas pela indústria e de 4,4% na folha de pagamento do setor no primeiro trimestre de 2007, em relação ao último trimestre de 2006.

Também houve crescimento nos dois itens no mês de março (1,1% nas horas pagas e 3,7% na folha de pagamento) em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação com o mês de fevereiro, no entanto, houve redução de 1,0% nas horas pagas e de 3,7% na folha de pagamento.

Denise Cordovil considerou o recuo nas taxas decorrência natural de grandes avanços embutidos nos índices dos primeiros meses do ano por causa de pagamentos extras, como por exemplo, férias dos empregados.