Embaixador do Vaticano é morto no Burundi

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de dezembro de 2003 as 09:04, por: cdb

O embaixador do Vaticano no Burundi foi morto nesta segunda-feira em uma emboscada no sul do país, no sudeste da África.

O núncio Michael Courtney, um cidadão irlandês, levou três tiros e foi submetido a uma operação de emergência na capital do país, Bujumbura, mas não sobreviveu.

O presidente do país, Domitien Ndayizeye, disse que o ataque contra Courtney foi planejado.
Ele acusou os rebeldes do país de estar por trás da morte, mas eles negaram a autoria da emboscada – dizendo que ela foi obra de militares.

Servo fiel

“Nós sabíamos onde ele vivia, (…) poderíamos tê-lo matado se quiséssemos. Nós condenamos quem o matou”, disse o porta-voz do grupo rebelde Forças de Libertação Nacional.

De acordo com o Vaticano, Michael Courtney foi atacado quando estava viajando de carro com outras três pessoas em Minago, no sul do país.

Os outros passageiros do carro escaparam ilesos ou com ferimentos leves.

“Nós tentamos fazer de tudo para salvá-lo. Nós estávamos tentando extrair as balas e ele morreu durante a operação”, disse um funcionário do hospital à agência de notícias France Presse.

A Santa Sé lamentou a morte de Courtney, dizendo que ele era um “servo fiel e generoso da Igreja”.

Claudio Marano, um missionário no Burundi, disse à rádio Vaticano que o núncio havia tido reuniões com grupos rebeldes e membros do governo várias vezes.

“Ele estava trabalhando em favor da paz e da reconciliação no Burundi”, disse.