Em nota, Instituto Lula desmonta a farsa do triplex no Guarujá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 31 de janeiro de 2016 as 18:01, por: cdb

Segundo o texto, a história envolvendo o apartamento tem início em 2005, momento em que Marisa Letícia se associou à Bancoop e adquiriu uma cota no condomínio Mar Cantábrico

Por Redação, com Vermelho – de Brasília:
O Instituto Lula publicou, neste domingo, uma extensa nota para trazer à tona os fatos e desmontar a farsa criada sobre o apartamento no Guarujá, litoral de São Paulo, que tenta associar o ex-presidente Luiz Inácio lula da Silva às investigações sobre a Bancoop no Ministério Público. O completo dossiê mostra que a família do ex-presidente optou por não comprar o imóvel, tendo pedido resgate da cota que pertencia à sua esposa, Marisa Letícia.

Intitulado “Os documentos do Guarujá: desmontando a farsa”, o texto afirma que adversários políticos e parte da imprensa tentam “criar um escândalo a partir de invencionices”. Entre os papéis divulgados, estão contratos com a Bancoop, declarações de Imposto de Renda e de bens ao Tribunal Superior Eleitoral e contratos que comprovam a desistência em continuar com o imóvel.

Lula
O texto afirma que adversários políticos e parte da imprensa tentam “criar um escândalo a partir de invencionices”

“A mesquinhez dessa ‘denúncia’, que restará sepultada nos autos e perante a História, é o final inglório da maior campanha de perseguição que já se fez a um líder político neste País”, diz a nota, afirmando ainda que o episódio expõe ao ridículo uma “imprensa facciosa e seus agentes públicos partidarizados”.

De acordo com o texto, a história envolvendo o apartamento tem início em 2005, momento em que Marisa Letícia se associou à Bancoop e adquiriu uma cota no condomínio Mar Cantábrico. Ela pagou as prestações até 2009, quando a Bancoop – que passava por uma crise financeira – transferiu o projetos à OAS. “Os pagamentos foram suspensos, porque Marisa Letícia deixou de receber boletos da Bancoop e não aderiu ao contrato com a nova incorporadora”, diz a nota.

O texto informa que a família do ex-presidente investiu R$ 179.650,80 na compra da cota, declarada à Receita e ao Tribunal Superior Eleitoral. Mesmo sem assinar com a OAS, a “família manteve o direito de solicitar a qualquer tempo o resgate da cota de participação na Bancoop e no empreendimento”, diz o texto. Esse investimento foi declarado por Lula em sua declaração de Imposto de Renda.

O Instituto Lula afirma, ainda, que, um ano após a conclusão do condomínio, o ex-presidente visitou o apartamento triplex de número 164-A, mas avaliou que o “imóvel não se adequava às necessidades e características da família, nas condições em que se encontrava. Foi a única ocasião em que o ex-presidente Lula esteve no local”, diz a nota.

“A partir de dezembro de 2014, o apartamento do Guarujá tornou-se objeto de uma série de notícias na imprensa, a maior parte delas atribuindo informações a vizinhos ou funcionários do prédio, nem sempre identificados, além de boatos e ilações visando a associar Lula às investigações sobre a Bancoop no âmbito do Ministério Público de São Paulo”, critica o texto.

Segundo o Instituto, durante esse período, a assessoria de Lula não só esclareceu que Marisa Letícia era dona apenas de uma cota, como sempre informou aos jornalistas que a família avaliava se se iria ou não adquirir o imóvel.

No texto em que desconstrói o factóide da mídia, o Instituto também classifica como “leviana” e “infundada” a atitude do promotor Cássio Conserino, do MP de São Paulo, que decidiu intimar o ex-presidente e sua mulher Marisa Letícia para depor em investigação sobre o apartamento no Guarujá. De acordo com a nota, foram desrespeitados “todos os procedimentos do Ministério Público, pois Lula e Marisa sequer tinham sido ouvidos no processo”.

Sobre o assunto, a líder do PCdoB na Câmara, deputada Jandira Feghali, declarou neste domingo que “alguns agentes públicos partidarizados,” a exemplo do promotor, cumprem o papel de “assessores ideológicos da oposição”. Classificando a denúncia contra Lula como “infundada e insconsistente”, ela ressalta que não há nenhuma prova de irregularidade contra ele.

“Essa é uma tentativa impalpável de atacar a maior liderança contemporânea do país, que é Lula, e, através dele, atacar toda a esquerda. Não podemos aceitar isso”, disse, defendendo que a oposição, na verdade, tem medo das urnas.

Comments are closed.