Em dois meses, Samu em Itaboraí já realizou mais de 300 atendimentos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 13 de março de 2012 as 11:33, por: cdb

Balanço feito pela Defesa Civil de Itaboraí aponta que nos dois primeiros meses deste ano já foram registrados 358 atendimentos pelas equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), uma média de sete ocorrências por dia.

A assistência do Samu começa antes da chegada da ambulância. Ao atender a ligação, os médicos explicam os primeiros procedimentos às pessoas que pedem ajuda. As três maiores ocorrências desse período foram: transferência intra-hospitalar (59 atendimentos), mal súbito em residência (51), e crise hipertensiva (30). Crise renal e surto psiquiátrico também aparecerem na lista com bom número de atendimentos. De acordo com o chefe da frota e socorrista, Ilziney Cleber, através do 192 também foram atendidas 18 pessoas por traumas de acidente de trânsito, grande parte devido ao aumento no número de carros e motos que estão transitando pela cidade.

O Samu foi criado em 2003 pelo Ministério da Saúde para prestar atendimento em urgências clínicas, pediátricas, cirúrgicas, gineco-obstétricas e psiquiátricas na rede pública de saúde. Em Itaboraí, o serviço começou a ser prestado em 2004 e em oito anos de cobertura aos casos de emergência o município é o único que trabalha com médicos todos os dias e com a mesma equipe de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem desde a sua implantação. Situação diferente dos demais municípios da Região Metropolitana II, que inclui Niterói, São Gonçalo, Maricá, Tanguá, Rio Bonito e Silva Jardim.

Ao município cabe gerir toda a infraestrutura da unidade, o salário da equipe e a manutenção das duas ambulâncias: uma de unidade avançada e outra básica. “Isso é um ganho enorme para a população itaboraiense, que pode contar com um atendimento emergencial de qualidade devido à baixa rotatividade”, destacou Cleber.

Chame o Samu em casos de:

Problemas cardiorrespiratórios
Intoxicação
Queimaduras graves
Maus tratos
Trabalhos de parto em que haja risco de morte da mãe ou do feto
Tentativas de suicídio
Crises hipertensivas
Acidentes/trauma com vítimas
Afogamentos
Choque elétrico
Acidentes com produtos perigosos
Transferência inter-hospitalar de doentes com risco de morte