Em dois anos dobrou a produção de peixes no município. São mais de 100 inscritos no Pró-Peixe

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de abril de 2012 as 14:06, por: cdb

Publicada em 04/04/2012 – Atualizado em 04/04/2012 17h00m

Em dois anos dobrou a produção de peixes no município. São mais de 100 inscritos no Pró-Peixe

Em um período de dois anos, a produção de peixes em Santa Maria dobrou de cerca de 50 toneladas para 100 toneladas/ano. A estimativa é da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SMR), que credita o incremento ao Programa Pró-Peixe, desenvolvido pela Prefeitura de Santa Maria, desde 2010. Considerado o “carro-chefe”, o Pró-Peixe é o programa mais desenvolvido da Secretaria e foi responsável pelo fechamento da cadeia produtiva do peixe, que inicia com a distribuição de alevinos aos produtores, construção de tanques de piscicultura (microaçudes), instalação do abatedouro municipal até a comercialização diária, em 21 pontos localizados em bairros e vilas da cidade.

O secretário de Desenvolvimento Rural, Rodrigo Menna Barreto, explica que vislumbrava a cadeia do peixe desde o lançamento dos 11 subprogramas de incentivo à produção primária. Barreto ressalta que antes já existiam alguns produtores que desenvolviam a atividade em Santa Maria, mas eles tinham uma comercialização sazonal voltada ao período da Páscoa, onde eram vendidas de 50 a 60 toneladas. Durante o resto do ano o produtor não tinha estímulo para produzir e nem local para comercializar, além disso, a população não tinha onde comprar, a não ser nos supermercados, peixes congelados, vindos de outros locais.

Números da cadeia produtiva atestam sucesso do programa

As ações de estímulo ao produtor, implantadas com o Pró-Peixe, abrangem todas as fases da cadeia produtiva. Entre as primeiras medidas, encontra-se a construção de 47 tanques de piscicultura, 30 com recursos da Prefeitura e 17 com a participação dos produtores. Também foi feita a doação de 35 mil alevinos para 70 produtores, para Incentivar a piscicultura e incrementar a produção de pescados, e também a doação de 15 toneladas/ano de calcário, por produtor, para a correção do solo e da acidez da água.

Junto a estas medidas, a secretaria oferece orientação técnica aos produtores. O abate também foi qualificado, com a instalação do Abatedouro Municipal de Peixes, em parceria com os produtores, que é realizado com a supervisão de técnicos do Serviço de Inspeção Municipal, de acordo com as normas sanitárias. Para fechar a cadeia produtiva a Prefeitura colocou em funcionamento o Caminhão Feira do Peixe, que em cinco meses de funcionamento já comercializou mais de 15 toneladas de peixes.

O secretário adjunto do Desenvolvimento Rural, Antoniangel Zanini ratifica que o Pró-Peixe é um sucesso, com mais de 100 produtores inscritos. “Com a cadeia do peixe fechada nós continuaremos incentivando estes produtores e o aumento da produção. Mercado existe, o mercado local é bastante grande e depois nós iremos atingir o mercado regional e o mercado nacional”, garante Menna Barreto. Quanto à qualidade do produto o secretário assegura que a população pode comprar com segurança. “Os peixes são de qualidade, frescos ou resfriados e o preço é acessível, porque não tem atravessador” assegura.

 

Texto: Jorn. Vera Jacques
Fotos: Arquivo Prefeitura