Em Barueri, lixo do crime tem destino ecologicamente correto

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de março de 2012 as 08:58, por: cdb

12/03/2012«-»» Em Barueri, lixo do crime tem destino ecologicamente correto   127 máquinas caça-níqueis apreendidas após autorização judicial

Resíduos reaproveitáveis provenientes da destruição de máquinas caça-níqueis apreendidas em Barueri foram doados à Cooperativa de Trabalho Profissional de Reciclagem do município, a “Cooperyara”. A ação foi uma parceria entre a Prefeitura de Barueri, por intermédio da Secretaria de Recursos Naturais e Meio Ambiente e Guarda Municipal, com as polícias Civil e Militar.

 

A doação do material seguiu a orientação da Lei de Política Nacional de Resíduos Sólidos (12.305/10), que, entre outras regras, impõe uma destinação ecologicamente correta aos resíduos provenientes de destruição de produtos de contraversão.

 

A ação começou por uma mega operação de destruição de aproximadamente 127 máquinas caça-níqueis, que segundo o promotor de Justiça Marcos Lira são utilizadas para prática de contraversão penal. Quando apreendidas, e após investigação e autorização criminal e judicial, estes equipamentos devem ser destruídos.

 

Segundo a escrivã de polícia Elvira dos Santos Cozachevici, que também é estudante de engenharia ambiental, durante as apreensões a polícia constatou que as máquinas possuíam componentes recicláveis, e por falta de espaço físico nas unidades policiais a parceria foi firmada.

 

A doação à Cooperyara foi acompanhada pelo delegado titular de Barueri Francisco Missaci, e agentes da Secretaria de Meio Ambiente. Os ex-catadores realizaram a separação da madeira, do pet, vidro e componentes eletrônicos que constituíam as máquinas. Cada material selecionado terá seu destino, e a venda será revertida em salários para os membros da cooperativa.

 

O supervisor na Cooperyara, Eliseu da Silva Félix, elogiou a ação social envolvida na iniciativa. “Além da preocupação em não descartar o resíduo sólido no aterro, com o produto do crime será gerada renda a cerca de 80 famílias.”

 

Para o secretario de Meio Ambiente Marco Antonio de Oliveira (Bidu), “essa parceria oferece segurança em relação ao acúmulo de lixo tecnológico nos aterros, além de proporcionar um grande incentivo a cooperativa”.

  Secretaria de Comunicação Social