Em ato expressivo, embaixador palestino convoca o 20 de setembro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de agosto de 2011 as 07:01, por: cdb

Um ato representativo da força que tem o movimento pró-Estado palestino no Brasil tomou conta do Sindicato dos Engenheiros de São Paulo nesta segunda-feira (29). A mobilização se deu em torno da presença do embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben e do lançamento da página eletrônica www.palestinaja.org. Além do embaixador, 18 pessoas, entre representantes de entidades e movimentos, parlamentares e intelectuais manifestaram-se durante o ato.

Luana Bonone

Além de lançar a página eletrônica da Campanha Palestina Já!, o embaixador Ibrahim Alzeben convocou os apoiadores a mobilizarem o ato mundial pró-Estado da Palestina marcadon para o dia 20 de setembro.

 
Acima, o embaixador Ibrahim Alzeben e abaixo a intervenção de Ricardo Alemão Abreu.Após ouvir as manifestações de apoio de diversas entidades e personalidades, Ibrahimagradeceu a solidariedade, a qual se expressa como compromisso, disse Ibrahim, ressaltando que a demonstração vai além das falas no ato. “Aqui se expressa o povo brasileiro, sua verdadeira natureza solidária, sua natureza amiga”, emocionou-se o embaixador, referindo-se à mesa do ato, que foi convocada a assumir a mobilização do Brasil para as manifestações de 20 de semtembro, que estão sendo convocadas em todo o mundo, pró-Estado da Palestina.

Pilhagem do petróleo

Tal aspecto característico do povo brasileiro já havia sido destacado pelo secretário de relações internacionais do PCdoB, Ricardo Alemão Abreu, que também denunciou a lógica de pilhagem do petróleo utilizada pelas potências ocidentais na relação com os países do Oriente Médio.

Ibrahim destacou o caráter antiimperialista da luta pró-Estado da Palestina e fez questão de repetir diversas vezes também seu caráter humanitário. “Não somos contra os judeus, queremos ter Israel como vizinho, para voltar a contribuir com o patrimônio da humanidade. A reconciliação começa aí”, defendeu Ibrahim Alzeben. Para ele, é preciso construir a “unidade a favor da humanidade”.

Em que pese o espírito de solidariedade, as manifestações a favor da criação do Estado da Palestina que antecederam a fala do embaixador foram acompanhadas de brados indignados contra a ocupação israelense – apoiada pelas potências imperialistas ocidentais – do território daquele povo.

Estado sionista terrorista

A presidente do Centro Brasileiro de Luta pela Paz (Cebrapaz) e também presidente do Conselho Mundial da Paz (CMP), Socorro Gomes, definiu Israel como um “Estado sionista que pratica genocídio cotidianamente”.

O embaixador relatou que as cidades palestinas já foram invadidas 57 vezes na história e contou a respeito de uma oliveira – símbolo forte para sua cultura – de 6 mil anos de idade. Em seguida, concluiu: “Fomos invadidos 57 vezes e nunca invadimos. E não desaparecemos, porque temos raízes profundas como esta oliveira. Não desapareceremos!”.

Citando diversas vezes heróis em favor da integração dos povos, como o latino-americano Simon Bolívar, Ibrahim disse que sua defesa, baseada na resolução da ONU de 1947, que criou o Estado de Israel e o Estado da Palestina, é para que seu filho jogue bola com seu vizinho Davi, filho do embaixador de Israel, e não para que ele seja um mártir. “’E uma reivindicação justa”, reforçou o embaixador.

“Massacres, intifadas, homens-bomba… queremos que isso tudo acabe, que isso passe à história. Aqueles que recorrem à violência é porque perderam toda a esperança”, defendeu Ibrahim.

Pouco antes de sua intervenção, Ibrahim Alzeben recebeu um manifesto de poetas e escritores brasileiros em favor do Estado da Palestina, intitulado “Somos todos palestinos”, que foi lido pelo professor doutor da USP Cláudio Daniel.

20 de setembro 

O embaixador da palestina disse que no Acre, no Rio Grande do Sul e no Paraná já se iniciaram mobilizações pró-Estado da Palestina. Ele provocou os presentes para que construam tal movimento em todos os estados brasileiros e conclamou os presentes a se mobilizarem no dia 20 de setembro, quando apoiadores do Estado Palestino de todo o mundo estão sendo convocados a se mobilizar em apoio ã solicitação que será apresentada pela Organização pela Libertação da Palestina (OLP) à Organização das Nações Unidas pelo reconhecimento do Estado da Palestina.

Conforme constatado pela secretária de relações internacionais do Partido dos Trabalhadores, Iole Ilíada, quase a totalidade dos países da América do Sul já reconhecem o Estado da Palestina, inclusive o próprio Brasil, que oficializou tal gesto durante o governo Lula. No início do ato, foi lida carta do ex-presidente Lula a respeito deste reconhecimento.

O Cebrapaz está organizando uma expedição de solidariedade à Palestina em conjunto com a Federação Mundial da Juventude Democrática (FMJD). A comitiva deve desembarcar na Palestina em 17 de setembro.

Representatividade

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), União Nacional dos Estudantes (UNE), Federação Democrática Internacional das Mulheres (Fedim), Marcha Mundial de Mulheres (MMM), Partido Pátria Livre (PPL), Congresso Nacional de Afrobrasileiros (CNAB), Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam), além dos já citados Cebrapaz, PCdoB e PT compuseram a mesa, junto a parlamentares, como o vereador Jamil Murad (PCdoB) e os deputados estaduais Simão Pedro e Adriano Diogo (ambos do PT).

As saudações se concentraram em valorizar a luta do povo palestino pela sua autodeterminação e denunciar a postura guerreira de Israel apoiada por potências como os Estados Unidos. As grandes corporações de mídia também foram citadas como aliadas do terrorismo de Estado praticado por Israel em diversas intervenções.

Condolências

O ato foi iniciado com os hinos nacionais do Brasil e da Palestina, um vídeo sobre a história do povo palestino e um minuto de silêncio pelo falecimento da mãe do vereador Jamil Murad. O cerimonial destacou que Dona Hadige Murad fez questão de ser enterrada com trajes de acordo com a cultura palestina.O embaixador Ibrahim Alzeben iniciou sua intervenção prestando suas condolências a Jamil.

Ao fim, foi reforçada a convocação para as mobilizações mundiais de 20 de setembro, em defesa do reconhecimento do Estado da Palestina pela ONU. Cada integrante da mesa foi presenteado com uma “Rata”, lenço símbolo da luta do povo palestino.

De São Paulo, Luana Bonone