Em 7 meses mais de 2 mil palestinos foram presos na Cisjordânia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 9 de março de 2003 as 14:04, por: cdb

O Exército israelense deteve mais de dois mil palestinos na Cisjordânia nos últimos sete meses, informou este domingo, o ministro da Defesa, Shaul Mofaz, ao Conselho de Ministros.

Alguns dos presos são prováveis combatentes do levante contra a ocupação militar israelense (Intifada) e os demais foram detidos para serem interrogados pelos órgãos de segurança de Israel.

Os últimos palestinos presos são oito moradores da cidade e de aldeias do distrito de Hebron e cinco residentes da cidade de Nablus.

Em junho do ano passado, o Exército israelense ocupou todas as cidades sob o controle da Autoridade Nacional Palestina (ANP), com exceção de Jericó, com o intuito de “lutar contra os terroristas e sua infra-estrutura”, interferindo sobre a vida de mais de dois milhões de civis palestinos.

Mofaz também informou ao Governo os resultados de uma investigação das Forças Armadas sobre a morte de oito civis palestinos no campo de refugiados de Jebalia. Dezenas de tanques israelenses invadiram o local na quinta-feira passada para destruir as casas de um militante do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas).

Segundo os investigadores militares israelenses, os mortos foram vítimas de um artefato explosivo guardado pelos palestinos dentro de uma loja de móveis, o qual detonou quando os bombeiros do lugar tentavam apagar um incêndio de causas desconhecidas.

Por outro lado, fontes palestinas asseguraram que o incêndio foi causado pelos soldados israelenses, que invadiram e atacaram a loja local, uma barbearia e o escritório de um advogado. As mesmas fontes ainda garantiram que os oito civis mortos – e mais de 150 feridos – foram vítimas de um projétil lançado por um tanque israelense.