EM 2011, 3 MILHÕES NÃO PROCURARAM POR EMPREGO NA ITÁLIA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 19 de abril de 2012 as 13:00, por: cdb

ROMA, 19 ABR (ANSA) – Quase 3 milhões de italianos que estavam desempregados no ano passado declararam que não estavam procurando por emprego, segundo o Instituto Nacional Italiano de Estatísticas (Istat).
   
Esse foi o maior patamar de desempregados sem procurar emprego que a Itália já viu desde 2004. A quantia, de 2,897, representou um aumento de 4,8% com relação a 2010.
   
A quota desses desempregados com relação à força de trabalho cresceu entre 2010 e 2011, passando de 11,1% do total a 11,6% do total. O número de desempregados sem procura de um emprego é ainda três vezes maior que a média europeia, de 3,6%.
   
De acordo com um relatório do Istat divulgado hoje, “o grupo é fortemente caracterizado pelo fenômeno do desencorajamento: 43% (cerca de 1,2 milhões) declara não ter procurado um emprego porque está convicto que não conseguirá encontrá-lo”.
   
O documento ainda destaca que, na Itália, o desempregados que não procuram emprego são mais numerosos do que os desempregados que procuram, que somaram 2,108 milhões em 2011. A média europeia, no entanto, é que os desempregados sejam o dobro dos que não procuram emprego.
   
O Istat também destacou que há muito mais mulheres nessa condição do que homens. “Além do desalento, o cuidado dos filhos e/ou dos familiares é o motivo que justifica o fato das mulheres não procurarem trabalho, afetando uma em cada cinco”, justifica o instituto. “No caso dos homens, permanece relevante a atitude de esperar por resultados de ações de busca do passado”, acrescenta o relatório. (ANSA)