Elias Maluco tinha dois telefones celulares em sua cela

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 25 de outubro de 2002 as 01:16, por: cdb

Dois telefones celulares foram encontrados às 20h na cela do BPChoque (Batalhão de Choque) da PM (Polícia Militar) que é ocupada pelos traficantes Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, e Marcos Antônio da Silva Tavares, o Marquinho Niterói.

A descoberta aconteceu durante uma vistoria realizada nas celas onde estão alguns dos principais líderes da facção criminosa CV (Comando Vermelho), entre eles Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar.

O comandante da unidade, coronel Francisco Spargoli, disse que os celulares e um carregador estavam entre as tábuas de compensado que formam uma espécie de quarto dentro da cela. Nada foi encontrado na cela onde está Beira-Mar, segundo Spargoli.

O coronel afirmou que vai ser aberta uma sindicância para tentar descobrir como os celulares entraram na cela. Há duas suspeitas: os aparelhos teriam sido entregues aos traficantes por policiais subornados ou por parentes que anteontem visitaram os policiais militares que estão presos no batalhão.

Os telefones deverão ser levados hoje para a 6ª DP (Delegacia de Polícia), que abrirá inquérito com o objetivo de apurar como Elias Maluco e Marquinho Niterói os obtiveram.

Maluco é apontado pela polícia como o principal responsável pela morte do jornalista Tim Lopes, da TV Globo, em junho. Niterói teria sido o organizador do fechamento do comércio ocorrido em 30 de setembro no Rio, por ordem do tráfico.

Niterói, Beira-Mar e mais quatro “chefões” do CV (My Thor, Gigante, Marcinho VP e Chapolim) foram transferidos para o BPChoque (centro do Rio) depois da rebelião de 11 de setembro no presídio Bangu, em que foram mortos traficantes da facção inimiga TC (Terceiro Comando), entre eles Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê. Elias Maluco foi para o batalhão logo após ser sido preso, em 19 de setembro.

Segundo o governo estadual, eles deverão ser levados de volta para Bangu 1 nos próximos dias, pois o presídio, semidestruído durante a rebelião, está em fase final de reforma.

O comandante do BPChoque disse que as vistorias na celas são feitas duas vezes por dia (de manhã e à noite). Segundo ele, na vistoria realizada hoje de manhã os celulares não foram localizados.