Eleições mexicanas têm maior abstenção das últimas décadas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de julho de 2003 as 04:37, por: cdb

A abstenção de 59% nas eleições legislativas realizadas este domingo no México foi a mais alta nas últimas décadas.

A apatia dos eleitores ficou refletida em baixíssimos índices de participação, já que apenas quatro em cada dez mexicanos votou, o que, segundo a Constituição mexicana, além de um direito, é uma obrigação.

O próprio presidente Vicente Fox, em uma mensagem emitida a toda a nação após saber dos primeiros resultados oficiais da votação, disse que “devemos entender os cidadãos que não foram às urnas”.

– Entendamos todos o silêncio dos cidadãos que não se expressaram nas urnas – enfatizou Fox.

Durante a campanha, uma polêmica propaganda lançada pelo Ministério do Governo para estimular a população ao voto teve de ser retirada, já que a oposição considerou que beneficiava o governista Partido da Ação Nacional (PAN).

Um porta-voz do Instituto Federal Eleitoral (IFE) confirmou que o comparecimento às urnas em eleições federais não era tão baixo desde, pelo menos, 1958, quando o PRI era o partido hegemônico.

Para o analista político Luis Rubio, a elevadíssima abstenção se deve ao fato de que, no México, existe “uma partidocracia que domina as decisões importantes”, o que desanima os votantes. Com níveis de abstenção acima dos de participação, está claro que falta na sociedade uma cultura política, avaliou.