Einstein e Newton podem ter sido autistas, diz estudo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de abril de 2003 as 11:43, por: cdb

Os gênios matemáticos Albert Einstein (1879-1955) e Isaac Newton (1642-1727) podem ter sofrido de uma forma de autismo, transtorno que explicaria o caráter anti-social e obsessivo de ambos, segundo publica nesta quarta-feira a revista New Scientist.

Newton e Einstein, autores, respectivamente, das teorias da gravidade e da relatividade, podem ter tido um tipo de autismo chamado Síndrome de Asperger, segundo um estudo das universidades de Oxford e Cambridge.

As pessoas que sofrem desta síndrome parecem pessoas normais, costumam ser inteligentes e não têm problemas de aprendizagem, mas encontram dificuldades para se relacioarem socialmente e, em algumas ocasiões, apresentam comportamentos excêntricos.

Os professores Simon Baron-Cohen, de Cambridge, e Ioan James, de Oxford, estudaram os perfis de ambos os gênios e descobriram em seu caráter três sintomas típicos da síndrome de Asperger: interesse obsessivo, dificuldades em se relacionar e problemas de comunicação.

Segundo os autores da pesquisa, Newton parece um caso claro, já que falava pouco, se ocupava tanto com seu trabalho que se esquecia até de comer e, além disso, mostrava-se indiferente aos seus poucos amigos ou estava de mal humor.

Se ninguém ia a suas conferências, o matemático inglês não se importava com o auditório vazio, dizem Baron-Cohen e James, que descobriram que Newton, aos 50 anos, também sofreu uma crise nervosa provocada pela depressão e pela paranóia.

Já Einstein, durante sua infância, foi um menino solitário que repetiu frases de maneira obsessiva até os sete anos, um comportamento que mais tarde poderia explicar sua personalidade confusa.

Apesar de o excêntrico gênio alemão ter tido alguns amigos íntimos e vários casos amorosos e de ter se pronunciado de forma comprometida sobre algumas questões políticas, ele também pode ter sofrido da Síndrome de Asperger.

Segundo Baron-Cohen, “se apaixonar, sentir-se apaixonado ou defender a Justiça são perfeitamente compatíveis com a Síndrome de Asperger. Muita gente com Asperger acha difícil manter uma conversa casual e curta”, tal como acontecia com Einstein.