Economia da China comunista cresce à velocidade de 7,8% em 2012

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 as 08:36, por: cdb
Os novos dirigentes da China foram eleitos para um novo período de 10 anos
Os novos dirigentes da China foram eleitos para um novo período de 10 anos

Dados divulgados nesta sexta-feira pelo Escritório Nacional de Estatística da China comunista mostraram que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu à velocidade de 7,8% ao longo do ano passado, ao passo que nos países do Ocidente capitalista, muitos entraram em recessão e, no principal responsável pela crise internacional do sistema, o PIB anualizado ficou em 2,8%, após um crescimento de apenas 1,7% em 2011.

Na China, que acaba de eleger os seus dirigentes para um período de mais 10 anos, ultrapassou a meta de 7,5% definida no início do ano passado. Ainda assim, as autoridades chinesas informaram que houve uma desaceleração. Foi o pior índice desde 1999, quando cresceu 9,3%, para uma nova alta de 10,4%, embora a inflação tenha permanecido sob controle.

Para Ma Jiantang, diretor do equivalente chinês ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o resultado favorece a transformação do modelo de crescimento econômico segundo as bases estruturadas ao longo de mais de meio século. Jiantang, no entanto, pontua que este nível é menor do que em anos anteriores. Para este ano, ele prevê que a economia chinesa permaneça com um crescimento estável, ainda na casa dos 7%.

Cálculos preliminares do Escritório Nacional de Estatística indicam que o PIB da China superou os 51,9 trilhões de yuans no ano passado, um aumento de 7,8% em comparação com 2011. No quarto trimestre, a economia cresceu 0,5 ponto percentual a mais do no terceiro trimestre. O consumo interno foi a maior contribuição à expansão nacional, respondendo por 51,8% do aumento do PIB.

Jiantang também fez uma retrospectiva da economia chinesa no ano passado.

– A economia nacional teve um comportamento estável no ano passado. O mercado de empregos, os preços e a agricultura foram marcados pela estabilidade. O país conseguiu progressos no reajuste da estrutura setorial, na inovação tecnológica, na redução do consumo energético e na melhora da vida da população – disse.

O executivo acrescentou que, apesar da desaceleração, o resultado é favorável à transformação do modelo de crescimento da economia nacional.

– Atualmente, o panorama da oferta e da demanda pela força de trabalho está sofrendo mudanças. O ambiente de recursos para o desenvolvimento do país também está mudando. Uma expansão em detrimento do meio ambiente não é sustentável. Aliás, a população está mais exigente quanto à qualidade do meio ambiente. Todas essas mudanças nos exigem uma desaceleração do crescimento nesta matriz atual, ou seja, devemos crescer de forma mais estável e saudável daqui por diante. Eu, particularmente, acho que um aumento entre 7% e 8% é favorável à transformação do modelo de crescimento da economia do nosso país – afirmou.

Quanto ao panorama econômico para este ano, Ma Jiantang ressaltou que a economia chinesa vai continuar crescendo de maneira estável, apesar das incertezas quanto ao cenário internacional e alguns pontos de desequilíbrio na economia interna. Ma Jiantang comentou também sobre os preços. Segundo ele, a nova rodada de políticas de flexibilidade quantitativa adotadas pelos principais países desenvolvidos vai exercer pressões sobre o país. O aumento do custo da mão-de-obra e da terra devem ser os principais causadores da elevação de preços. Apesar de tudo isso, o especialista chinês mencionou vários fatores que podem conter esta alta.

– As boas safras que conseguimos em 2012 são uma base sólida para estabilizar os preços neste ano. De forma geral, há um excesso de capacidade de produção na indústria. Desde que haja essa folga na produção, não teremos tanta pressão nos preços. Além disso, o país vai continuar adotando uma política monetária estável para manter um equilíbrio entre o crescimento da economia, o reajuste estrutural e os preços – concluiu.