Duro confronto deixa 20 americanos mortos ou desaparecidos no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de março de 2003 as 14:20, por: cdb

No domingo, as forças terrestres americanas e britânicas sofreram suas piores baixas desde o início da guerra. As unidades aliadas enfrentaram determinadas forças iraquianas em duas frentes, que um comandante americano qualificou como “os combates mais duros da guerra”.

Os militares na zona de guerra destacaram que ao menos 20 soldados americanos haviam sido mortos ou estavam desaparecidos e outros 50 ou mais haviam sido feridos em um dia de emboscadas, acidentes e combates de artilharia e tanques. Os números precisos das baixas não haviam sido disponibilizados.

Na manhã desta segunda-feira, o presidente Saddam Hussein apareceu na televisão nacional iraquiana para elogiar suas tropas e condenar os EUA. Seu discurso pareceu programado para tomar vantagem do pior dia para as forças de coalizão.

Obviamente ciente dos eventos dos últimos dias, ele citou a batalha de Um Qasar e elogiou seus comandantes militares como uma forma de convocar as tropas para o combate em Basra e no resto do país.

“Ataque-os até eles chegarem à conclusão de que não podem cometer crimes contra vocês e seu povo”, declarou. “Deus ordenou que vocês cortem suas gargantas”.

Ele disse ainda, referindo-se às próximas batalhas, “Nós tornaremos o confronto o mais doloroso possível”.

No final da noite do último domingo, as forças terrestres americanas começaram a atacar a Guarda Republicana do Iraque pela primeira vez, aparentemente esperando enfraquecer as divisões que guardam as estradas que levam a Bagdá.

A maior parte das baixas do domingo ocorreu em An Nasiriyah, ao longo do rio Eufrates, cerca de 140 quilômetros ao norte da fronteira kuwaitiana, onde um comboio de manutenção do Exército foi emboscado, resultando na morte ou captura de aproximadamente 12 soldados, e alguns deles foram mostrados para todo o mundo na televisão árabe.

Depois, os Fuzileiros atacaram a cidade, e durante uma dura batalha contra aproximadamente 500 defensores iraquianos, um foguete atingiu um veículo de transporte de tropas, afirmaram as testemunhas, matando mais de 10 soldados.

Os militares afirmaram que dezenas de soldados foram feridos na batalha, e depois os helicópteros foram vistos retirando os feridos da cidade.

Enquanto isso, a principal força do exército aliado – a 3ª Divisão de Infantaria do Exército americano e a 1ª Força Expedicionária dos Fuzileiros – avançou para Bagdá, com a força principal passando por Najaf. A força suspendeu o avanço para Karbala durante a noite, a cerca de 100 quilômetros ao sul da capital iraquiana, Bagdá.

Em geral, as forças aliadas estão evitando os grandes centros de população civil, mantendo seu enfoque sobre Bagdá. O principal objetivo americano da guerra é a remoção do governo de Saddam Hussein do poder e o subseqüente desarmamento do país.

Na noite de domingo, o tenente-general John Abizaid, vice-comandante das forças na região, afirmou que não confirmaria o número de baixas, porque “os primeiros relatórios são sempre equivocados”.

O presidente Bush se solidarizou com os pais dos soldados mortos em combate, mas ele manifestou confiança no sucesso da campanha.

“Eu sei que Saddam Hussein está perdendo o controle do país, que nós estamos lentamente alcançando nosso objetivo”, Bush afirmou ao retornar de um fim de semana de planejamento militar com seus assessores em Camp David.