Duhalde rejeita denúncia de fraude feita por Menem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 3 de maio de 2003 as 16:52, por: cdb

O presidente da Argentina, Eduardo Duhalde, disse neste sábado que é “impossível” que tenham sido cometidas fraudes no primeiro turno das eleições presidenciais do país, realizado no domingo passado (27).

Em declarações à emissora local Rádio Mitre, Duhalde se referiu à intenção do ex-presidente Carlos Menem de denunciar na Justiça a possível venda de documentos de identidade de pessoas falecidas, mas ainda inscritas como eleitoras.

Segundo esta denúncia de Menem, que será feita de acordo com informação divulgada por um programa do canal 13 da televisão argentina, as irregularidades beneficiaram o candidato Néstor Kirchner, apoiado por Duhalde.

Menem e Kirchner, ambos peronistas, se enfrentarão no segundo turno das eleições presidenciais, no dia 18 de maio, após serem os dois mais votados no domingo passado (27).

Segundo Duhalde, adversário político de Menem, o ex-presidente “não encontra explicação” para a pequena vantagem que obteve sobre Kirchner no primeiro turno.

– O doutor Menem achava que ia ganhar a eleição por 10 por cento (de vantagem)… Depois disse que o segundo turno ia ser um trâmite -, acrescentou o chefe de Estado, que assumiu o poder no dia primeiro de janeiro do ano passado.

– É impossível que possa haver fraude no sistema (eleitoral), devido à forma com que o preparamos -, insistiu.

A respeito da denúncia que Menem apresentará à Justiça na segunda-feira, Duhalde se perguntou “para quê” servirá, e disse que será “uma simples despesa”.

Em outras declarações, Duhalde pediu que os argentinos votem no dia 18 de maio, repetindo a “epopéia” do primeiro turno.

No domingo passado (27), 77,6% dos eleitores inscritos foram votar, e o voto branco e nulo, que havia sido muito alto em ocasiões anteriores, foi de apenas 2,5%.