Dora Bria será nome de rua no Rio de Janeiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de janeiro de 2008 as 11:54, por: cdb

A família e amigos da windsurfista Dora Bria velaram o corpo da ex-atleta, no cemitério do Caju, no Rio de Janeiro, onde ela foi sepultada, nesta quinta-feira. O caixão foi coberto pela bandeira do Vasco, clube no qual ela encerrou sua carreira, e decorado com um porta-retrato com seu rosto. A Confederação Brasileira de Vela e o Vasco enviaram coroas de flores para homenagear a atleta.

 

Dora, que tinha 49 anos, morreu na terça-feira, em acidente de carro em Minas Gerais.

 

Pioneira no windsurfe brasileiro, Dora conquistou o título brasileiro da categoria seis vezes, foi tricampeã sul-americana e ficou entre as cinco melhores do mundo em ondas gigantes entre 1990 e 1995, no Havaí. A carioca foi a primeira atleta do Brasil a disputar o Circuito Mundial Profissional de windsurfe (PBA, hoje conhecido como PWA). De 1990 a 2000, dominou o cenário do esporte no país.

 

O nome da atleta estará em um dos endereços do Rio de Janeiro: uma rua, avenida, parque, praça ou algum outro logradouro. Quem garante é o prefeito da cidade, Cesar Maia, que pretende homenagear a windsurfista.

 

Dora participou de um projeto de inclusão social da prefeitura nos anos de 1995 e 1996. Segundo o prefeito, ela exaltava a mulher carioca com seu talento e beleza.

 

– A Dora combinou a condição de atleta vitoriosa com sua sensibilidade artística e social. Trabalhou conosco em inclusão social pelo esporte. Somando à sua beleza, exaltava a mulher carioca. Seu nome estará em um de nossos logradouros no futuro – diz Cesar Maia.

 

Dora conquistou o título brasileiro de windsurfe seis vezes, foi tricampeã sul-americana e ficou entre as cinco melhores do mundo em ondas gigantes entre 1990 e 1995, no Havaí. Considerada uma das musas do esporte nacional, a ex-atleta posou nua duas vezes: em 1993, para a revista “Playboy“, e sete anos depois, para a revista “Sexy“.