Domingo de terror em Tel Aviv

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 5 de janeiro de 2003 as 23:19, por: cdb

Pelo menos 20 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas em conseqüência de duas grandes explosões que estremeceram o centro de Tel Aviv neste domingo.

Em comunicado divulgado em Beirute, no Líbano, o grupo radical Jihad Islâmica assumiu a autoria dos ataques, que aconteceram por volta das 18:30, hora local, e visaram uma estação rodoviária desativada.

Testemunhas contaram que as explosões foram sincronizadas: aconteceram em um espaço de tempo muito curto e envolveram dois homens-bomba.

O porta-voz da Polícia israelense, Gil Kleiman, confirmou a versão.

“Tivemos dois ataques muito sérios em Tel Aviv, no centro, onde já ocorreram vários atentados”, disse.

Segundo Kleiman, 150 metros separaram os dois homens-bomba e as explosões foram programadas para acontecer “muito próximas”.

Israel não era alvejado por atentados suicidas desde 21 de novembro, quando um palestino matou 11 pessoas e feriu 50 dentro de um ônibus em Jerusalém.

Ra’anan Gissin, um dos principais assessores do primeiro-ministro Ariel Sharon, sugeriu que os atentados tinham o objetivo de influenciar as eleições gerais em Israel, marcadas para o próximo dia 28.

Testemunhas lembraram com horror o momento dos ataques deste domingo.

“Ouvi a explosão e senti um tremor”, contou Alon Oz. “Percebi que haveria muitas vítimas. Procuramos as pessoas que estavam respirando. Chamei por elas e vi que tinha algumas feridas com gravidade”.

O barbeiro Yitzhak Teva, que ficou levemente ferido, disse que estava ocupado, cortando cabelo de um freguês, no momento da explosão.

“Metade da parede caiu em cima de mim e fiquei coberto de cacos de vidro”, contou. “Fechei a loja e, então, houve a segunda explosão”.

Um pedestre, que se identificou apenas como Tomer, disse que ajudou as equipes de socorro a transportar os feridos.

“Vi um homem sem perna”, horrizou-se. “Vi coisas terríveis, pessoas sem pernas, sem braços. Vi dedos”.

Nos Estados Unidos, o presidente George W. Bush foi informado sobre o atentado duplo quando estava a bordo do Air Force One, voltando de seu rancho no Texas para Washington.

Adam Levine, porta-voz da Casa Branca, relatou a reação de Bush.

“Ele condena, nos termos mais fortes possíveis, esses atos brutais de terror”, declarou Levine. “Aqueles que querem atrapalhar o processo de paz não vão nos deter. As pessoas têm o direito de viver em paz e em segurança”.