Dólar dispara e bolsas vivem clima de nervosismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de setembro de 2001 as 14:43, por: cdb

O dólar comercial era cotado a R$ 2,736 para venda (compra a R$ 2,734) no início da tarde desta quinta-feira, alta de 1,67% em relação ao fechamento recorde de ontem.

No mesmo horário, a Bovespa operava em queda de 4,74%. O índice Merval, da Bolsa de Buenos Aires, caía 3,37%. Em Londres, o índice FTSE tinha alta de 1,26%. As Bolsas norte-americanas continuam sem operar.

O mercado vive clima de nervosismo no segundo dia após os ataques terroristas que vitimaram milhares de pessoas nos Estados Unidos.

Ontem, a moeda fechou cotada a R$ 2,691 para venda e bateu o recorde do Real, apesar da falta de liquidez dos mercados brasileiros, uma conseqüência do impacto dos atentados de terça-feira, nos EUA, e do fechamento das bolsas norte-americanas.

Se mantiver a tendência de alta, a moeda norte-americana deve bater um novo recorde no fechamento de hoje.

“Pode estar havendo algum exagero do mercado”, afirmou, em entrevista ao UOL News, Rogério Mori, economista do Santos Asset Management.

“No entanto, a perspectiva de médio e longo prazo é de piora nos investimentos externos com os ataques feitos aos Estados Unidos e isso se reflete no dólar.”

Na opinião de Mori, o Banco Central do Brasil “poderia fazer um esforço mais efetivo”. “Até agora, o BC não deu sinais de vida, mesmo com um volume muito baixo.”

“O cenário ficou bem mais feio depois desses eventos nos EUA. E, se está ruim no Brasil, ficou muito pior na Argentina”, disse Mori.