Dólar cai ante real pelo 4º dia seguido

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 1 de julho de 2016 as 12:05, por: cdb

O dólar acumulou baixa de R$ 11,05 em junho, a maior queda mensal em 13 anos

Por Redação, com Reuters – de São Paulo:

O dólar recuava frente ao real pelo quarto dia seguido nesta sexta-feira, acompanhando os mercados externos mesmo após o Banco Central vender a oferta total de até 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares, a primeira operação desse tipo em mais de um mês e com o BC sob a batuta de Ilan Goldfajn.

dólar
Nos mercados internacionais, o dólar recuava em relação às principais moedas da América Latina

Segundo operadores, a oferta pequena de contratos levou ao entendimento de que o BC quer apenas moderar o ritmo do recuo da divisa, e não defender algum patamar específico. O leilão veio após o dólar encostar em R$ 3,20 no fechamento pela primeira vez em quase um ano na sessão passada.

Às 10:30, o dólar recuava 0,12%, a R$ 3,2096 na venda. O dólar acumulou baixa de R$ 11,05 em junho, a maior queda mensal em 13 anos. O dólar futuro caía cerca de 0,20%.

– É uma oferta pequena, mas sinaliza que esse dólar em uma só direção incomoda. Acho que o recado do BC é: estou de olho, repensem um pouco esse movimento – disse o operador da corretora Renascença Thiago Castellan Castro.

O BC não fazia leilão de swap reverso desde 18 de maio, mesmo diante do tombo recente do dólar, o que gerou entre investidores a percepção de que Ilan estaria mais disposto a tolerar cotações mais baixas do que seu antecessor, Alexandre Tombini.

A operação da sessão equivaleu a compra futura de US$ 500 milhões.

Com isso, o estoque de swaps tradicionais do BC, que correspondem à venda futura de dólares, cai para o equivalente a cerca de US$ 61,6 bilhões. O estoque girou acima de US$ 100 bilhões ao longo de quase todo o ano passado.

Ilan já afirmou que a autoridade monetária pode usar as ferramentas cambiais “com parcimônia” e reduzir a exposição cambial do BC em momentos considerados adequados.

“Ao que tudo indica, não se trata de defesa de nível ou sinalização de piso (para a cotação), mas apenas a cumprimento do que Illan tem sinalizado quanto ao desmonte gradual da exposição cambial… bem como ao natural controle de excessos no mercado cambial”, escreveram analistas da corretora H. Commcor em nota a clientes.

Nos mercados internacionais, o dólar recuava em relação às principais moedas da América Latina ao fim de uma semana marcada por fortes altos e baixos. As preocupações com a opção do Reino Unido por deixar a União Europeia cederam lugar para expectativas de estímulos monetários no resto do mundo para evitar turbulências financeiras.

Os mercados norte-americanos não abrirão na segunda-feira devido ao feriado do Dia da Independência.