Dólar bate R$4 em meio a preocupações externas e locais

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de setembro de 2015 as 10:38, por: cdb

Por Redação, com Reuters e ABr – de São Paulo:

O dólar superou a máxima histórica de R$ 4 na abertura dos negócios nesta terça-feira, com investidores aguardando a votação dos vetos da presidenta Dilma Rousseff no Congresso e em meio a preocupações com a possibilidade de o Federal Reserve, banco central norte-americano, elevar os juros neste ano. O recorde para o fechamento da moeda ocorreu em 10 outubro de 2002, quando o dólar fechou o dia cotado em R$ 3,99.

dólar
Às 9:12, o dólar avançava 0,92%, a R$ 4,0176 na venda nesta terça-feira

Às 9:12, o dólar avançava 0,92%, a R$ 4,0176 na venda, após ter o segundo fechamento mais alto na história pela segunda sessão consecutiva na véspera.

Na segunda-feira, além de vender dólares no mercado futuro, por meio da rolagem (renovação) dos leilões de swap cambial, o Banco Central ofertou US$ 3 bilhões por meio de um leilão de venda com compromisso de recompra. Nessa modalidade, o BC vende dólares das reservas internacionais, mas adquire a divisa de volta algum tempo depois.

Para esta terça-feira, embora o BC não tenha anunciado, até o momento, novo leilão de venda com compromisso de recompra, a instituição fará mais um leilão de rolagem de swap cambial.

Desde o fim de 2008, os juros nos Estados Unidos estão entre 0% e 0,25% ao ano. Na época, o Fed cortou a taxa para estimular a economia americana em meio à crise no crédito imobiliário. A última elevação de juros nos EUA ocorreu em 2006.

Juros mais altos atraem capital para os títulos públicos americanos, considerados a aplicação mais segura do mundo. Os investidores retiram recursos de países emergentes, como o Brasil, pressionando a cotação do dólar.

Dólar sobe 0,57% na segunda-feira

Na segunda-feira, o dólar fechou em alta, terceiro avanço seguido e pressionado por preocupações com as contas públicas brasileiras, mas a defesa da manutenção do veto presidencial ao reajuste de servidores públicos pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tirou a moeda norte-americana das máximas da sessão, quando encostou em R$ 4.

O dólar avançou 0,57%, a R$ 3,9809 na venda. A única vez na história em que ele terminou em um patamar mais alto foi em 10 de outubro de 2002 (R$ 3,990). Na máxima do dia, a divisa atingiu R$ 3,9990, a milímetros de distância do recorde intradia de R$ 4.