Documentos dos EUA questionam treinamento da polícia iraquiana

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 25 de setembro de 2004 as 08:50, por: cdb

Menos soldados e policiais iraquianos serão totalmente treinados até o final do ano do que o número citado pelo presidente George W. Bush, segundo documentos do Pentágono, de acordo com os quais só em julho de 2006 a polícia iraquiana estará completamente pronta.

Tendo o primeiro-ministro interino do Iraque, Iyad Allawi, a seu lado, Bush disse na quinta-feira que quase 100 mil soldados, policiais e outros agentes já estão trabalhando no Iraque, depois de receberem treinamento e equipamentos, e que esse número vai subir para 125 mil até o final do ano.

Mas documentos preparados por funcionários do Departamento de Defesa e entregues a parlamentares mostram que menos de 100 mil serão treinados até o final do ano. Na segunda-feira, o Pentágono anunciou que apenas 53 por cento dos 100 mil iraquianos alistados já passaram por treinamento.

Os documentos, obtidos pela Reuters, mostram que dos quase 90 mil atuais policiais, só 8.169 completaram as oito semanas de preparação. A nova meta do governo é treinar 135 mil policiais, o que só deve ser atingido em julho de 2006.

O porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, disse que Bush mantém os 100 mil citados.

Na semana passada, o governo Bush anunciou que vai deslocar 3,5 bilhões de dólares que deveriam ser usados em obras de infra-estrutura, como água e saneamento, para a segurança. Dessa quantia, 788 milhões serão usados para a contratação de 45 mil policiais.

“Nossa prioridade mais urgente é a segurança”, disse o subsecretário de Estado Richard Armitage, que na sexta-feira foi a uma subcomissão da Câmara explicar a transferência de recursos, que provocou reações indignadas no Congresso, onde a medida deve ser aprovada.

“Nós nos encontramos em um ambiente cada vez mais inseguro, o que diminuiu o ritmo da reconstrução a um engatinhar”, disse a deputada democrata Rita Lowey. “Tornou-se um problema claramente cristalino que o presidente e seu governo não têm um plano coerente para conquistar a paz.”

Bush enfrenta críticas também de seu partido. “Acho que é justo dizer que o governo cometeu alguns erros fundamentais no planejamento e execução da sua estratégia do pós-guerra”, disse o deputado republicano Jim Kolbe.

A mudança das verbas da infra-estrutura para o treinamento militar também vai provocar perda de empregos. “Temos cerca de 77 mil pessoas trabalhando em projetos de reconstrução hoje em dia, isso é inadequado”, disse Armitage.

Ele admitiu que 18 mil vagas em obras de abastecimento de água e 4.000 no setor elétrico deixarão de ser abertas por causa da mudança de prioridades.

No ano passado, Bush pediu que o Congresso liberasse uma verba de 18,4 bilhões de dólares, mas desse total só 1,2 bilhão foi gasto até agora. Armitage disse que o objetivo é chegar a um gasto de 300 a 400 milhões de dólares por mês.

Fontes do Congresso disseram que os parlamentares foram informados também que a insurgência no Iraque elevou os custos operacionais e de segurança nos projetos de reconstrução em até 50 por cento.