Documento encontrado em Bagdá preocupa ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 19 de janeiro de 2003 as 12:14, por: cdb

O chefe da agência de energia nuclear da ONU disse que está preocupado com documentos encontrados na casa de um cientista iraquiano que, aparentemente, têm relação com tecnologia nuclear.

Os documentos, cerca de três mil páginas, mostrariam a questão de enriquecimento a laser – uma forma de modificar urânio para uso em armas nucleares – e foram levados da casa do físico Faleh Hassan, na quinta-feira.

“Quero deixar claro que isso não quer dizer que encontramos algo que possa ser comparado a uma arma. Mas os documentos levantam a questão da transparência”, disse o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), Mohammed ElBaradei.

“O Iraque precisa deixar de cooperar passivamente e começar a ajudar de forma ativa para mostrar à comunidade internacional que eles estão limpos”, afirmou ElBaradei.

Cedo

ElBaradei disse que ainda é muito cedo para determinar o que os documentos representam com certeza, mas ele vai tentar conseguir mais detalhes quando se encontrar com o chefe de inspetores de armas da ONU, Hans Blix, domingo, em Bagdá, capital do Iraque.

A casa do físico Faleh Hassan foi uma das duas que foram revistadas em Bagdá na quinta-feira.

Hassan negou categoricamente qualquer ligação entre os documentos e o extinto programa de armas nucleares do Iraque.

O cientista acusou os inspetores de se comportarem como se fizessem parte de uma “máfia” e acrescentou que eles se aproveitaram da doença de sua esposa para tentar convencê-lo a ir para outro país ser interrogado sobre os programas de armas nucleares do Iraque.

Segundo Hassan, um dos inspetores disse a ele, durante a busca em sua casa: “Sua mulher está doente e nós podemos levá-la para fora do Iraque, para fazer um tratamento, e você pode ir junto”.

A mulher do físico sofre de diabetes e pressão alta.

Hassan rejeitou a proposta e acusou os inspetores de causarem danos psicológicos à sua família.

O cientista insiste que os documentos levados de sua casa fazem parte de uma pesquisa particular de teses de doutorado de alunos dele na Universidade de Bagdá.

Os documentos estão escritos em árabe e serão traduzidos para que mais detalhes sejam conhecidos nos próximos dias.

Anos 80

Mohammed ElBaradei afirmou que os documentos são da década de 80, mas acrescentou que o Iraque, naquela época, não tinha conhecimento dessa tecnologia.

“Nós sabemos que eles não tinham ido tão longe”, disse.

A busca na casa de Faleh Hassan e na de um outro cientista, Shaker al-Jabouri, foi a primeira vez que os inspetores de armas da ONU investigaram residências particulares.

O governo do Iraque deu aos inspetores de armas os nomes de 500 cientistas que trabalharam em seus programas de armas de destruição em massa no passado.

Hassan não estaria incluido nesta lista.