DNA prova que a agricultura veio do Oriente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 6 de agosto de 2002 as 11:19, por: cdb

Os europeus modernos podem traçar uma boa parte de sua ancestralidade estudando como se comportavam os fazendeiros que vieram do Oriente para o Ocidente, há dez mil anos. A avaliação é possível graças a um novo modelo de computador que, aliado a estudos de genética, ajuda a entender como a agricultura foi introduzida na Europa. Antropólogos acreditam que a agricultura provavelmente começou no Oriente Médio, e depois chegou à Europa por volta do ano 8.000 A.C.

O debate sempre foi centralizado em se a mudança no estilo de vida na Europa foi provocada por uma simples invasão de idéias e práticas, ou se foi liderada por uma grande população imigrante que se misturou com os nativos. Se o último estudo estiver correto, a segunda hipótese é a mais provável. Os cientistas detectaram assinaturas genéticas deixadas nos seres humanos de hoje por conta dessa expansão. Lounes Chikhi, da University College de Londres, e sua equipe procurou por este marcador genético analisando mutações (erros) nos cromossomos Y, os pacotes de DNA passados de pai para filho.

Em particular, os cientistas estudaram mutações raras chamadas de poliformismos de um único evento (UEPs). Essas mutações não teriam ocorrido mais do que uma vez na história humana recente. A presença de UEPs em diferentes populações é, para os pesquisadores, sinal de um ancestral comum e não de mudanças recorrentes na estrutura genética dos indivíduos.

Os cientistas pegaram os resultados de um estudo anterior e lançaram os dados em um poderoso modelo de computador. A partir da pesquisa, eles constataram que os agricultores do Oriente Médio contribuíram com cerca de 50% dos genes analisados da população européia atual. As contribuições variaram de 15% a 30% na França e na Alemanha e de 85% a 100% no sudeste da Europa em países como Albânia, Macedônia e Grécia.

Os valores obtidos são bem maiores do que o que se acreditava, mostrando que a contribuição do Oriente para a herança genética da Europa foi subestimada. Os arqueólogos nos mostraram que a agricultura se deslocou do leste para o oeste, mas nunca soubemos como “, disse Chikhi à BBC”.Hoje, sabemos que o processo agrícola se espalhou pela Europa em aproximadamente um quilômetro por ano ou 20 quilômetros por geração “. Segundo a pesquisadora, todos os europeus têm genes de caçadores, mas também de fazendeiros do Oriente.” As diferenças entre as regiões da Europa são enormes. Por exemplo, na Grécia e nos Bálcans um indivíduo tem entre 70% e 100% de genes herdados de fazendeiros do Oriente. Mas na Inglaterra e na França, esta carga genética é de 10%”, explica a cientista.