Divisão histórica leva disputa à Ciesp e Fiesp

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de setembro de 2004 as 11:32, por: cdb

Claudio Vaz e seus apoiadores querem que o Ciesp e a Fiesp trabalhem juntos, mas não descartam a possibilidade de as duas entidades que representam os industriais seguirem caminhos diferentes, sem prejuízos para o setor. Há duas semanas, o empresário Paulo Skaf, candidato de oposição, foi eleito para a presidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e Vaz, da situação, para a do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), uma divisão inédita na história.

– Nós estamos disponíveis para conversar e trabalhar junto com a Fiesp – disse Vaz, acrescentando que ainda nesta quinta-feira entrará em contato com Skaf para marcar um encontro. Estamos disponíveis para discutir convergência de ações, senão cada um vai seguir seu caminho.

Vaz reuniu-se nesta manhã com empresários e dirigentes de sindicatos industriais que apoiaram sua candidatura. Mário Amato, ex-presidente do Fiesp/Ciesp, descartou uma cisão no empresariado após a vitória de dois dirigentes, mas disse que as entidades podem se unir ou trabalhar separadamente.

– Ninguém sairá prejudicado se não trabalharmos juntos – afirmou Amato, presente à reunião realizada em um hotel em São Paulo.

Vaz disse que o Ciesp tem uma pauta clara de trabalho independentemente da Fiesp. Segundo ele, o foco do Ciesp será participar da política econômica para que o ciclo de crescimento brasileiro se torne sustentável, além de buscar medidas que melhorem o balanço das empresas.

– Podemos fazer isso separadamente ou em conjunto com a Fiesp.

Sala da Presidência

Vaz foi menos claro ao responder quem ocupará a sala da presidência, localizada no 14º andar da sede do Fiesp/Ciesp, na avenida Paulista. Dos 16 andares do prédio, o Ciesp detém do oitavo ao 15º e os demais são do Sesi, entidade independente. Ele afirmou que, como o 14o andar é propriedade do Ciesp, “não precisamos pedir licença para ocupá-lo”.

Vaz também fez críticas a Skaf ao dizer que gostaria de saber “qual vai ser a ação dele para não ser comentarista econômico”. Ele se referia à principal censura de Skaf ao atual presidente da Fiesp, Horácio Lafer Piva, de que ele é apenas “um comentarista econômico”. Paulo Butori, presidente do Sindipeças, que representa o setor de autopeças, também não poupou críticas a Skaf:

– Skaf coloca os assuntos sem muita profundidade… não estou dizendo que ele não sabe das coisas, mas ele não consegue se expressar.

Vaz contou que nos próximos dias pretende reunir-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros integrantes do governo como os ministros Antonio Palocci (Fazenda) e Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento). Skaf cumpre esta semana agenda em Brasília e se encontra nesta quinta-feira com Lula. Skaf e Vaz tomam posse em 27 de setembro.