Dívida Pública cresce, mas mantém equivalência de 50% no PIB

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 25 de outubro de 2006 as 20:30, por: cdb

A dívida líquida do setor público cresceu R$ 6,243 bilhões no mês de setembro. Com isso, o valor total da dívida atingiu R$ 1,039 trilhão, mas manteve a equivalência de 50,1% do Produto Interno Bruto (PIB), registrada no mês anterior, como mostra o relatório de setembro sobre Política Fiscal, divulgado, nesta quarta-feira, pelo Banco Central.

No ano, a dívida acumula queda de 1,4 ponto percentual em relação ao PIB, uma vez que a equivalência dívida/PIB em dezembro do ano passado era de 51,5%. O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, acredita que o endividamento do Estado se manterá estável neste mês, contrabalançanco os dispêndios maiores de final de ano e encerrando o exercício financeiro com relação dívida/PIB de 50,5%.

De acordo com Altamir Lopes, quatro fatores contribuíram decisivamente para a queda da relação dívida/PIB de janeiro a setembro: o superávit primário, a valorização de 7,1% do real em relação ao dólar norte-americano, o crescimento do próprio PIB e as receitas de privatizações. Em sentido contrário, pesaram os juros nominais e o ajuste de paridade da cesta de moedas que compõem a dívida externa.

Segundo o relatório do BC, a dívida bruta do governo geral – envolvendo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e governos estaduais e municipais – aumentou de R$ 1,472 trilhão, em agosto, para R$ 1,511 trilhão, em setembro; e aí sim, a equivalência dívida/PIB evoluiu de 71,4% para 72,7%.

O documento elaborado pelo Departamento Econômico do BC lembra que a dívida mobiliária federal, expressa em títulos públicos, totalizou R$ 1,061 trilhão, com crescimento de R$ 22,85 bilhões no mês e equivalência de 51,1% com o PIB.