Diretor de 9 Songs diz que não produziu pornografia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 19 de setembro de 2004 as 19:49, por: cdb

Michael Winterbottom, diretor britânico, autor do filme 9 Songs, apresentado na Seleção Oficial do Festival de Cinema de San Sebastián, afirmou neste domingo aos jornalistas que, longe de ser um filme pornográfico, a produção apresentada para a imprensa, no sábado, mostra “uma história de amor com muito sexo”. Durante a projeção, 9 Songs recebeu tanto aplausos como vaias da imprensa especializada.

O filme narra as lembranças de um jovem cientista britânico, Matt (Kieran O´Brien), sobre a relação intensa que manteve com a americana Lisa (Margo Stilley), por um ano, na Antártida. Matt relembra o relacionamento durante nove shows de bandas de rock, que assiste em Londres. 9 Songs é baseado no livro Plataforma de Michel Houellebecq.

Na entrevista aos jornalistas, o diretor afirmou que “não entende por que não se pode mostrar o sexo explícito em um filme, já que o sexo explícito é parte importante de qualquer história de amor”.

– É irônico que na literatura possa se mostrar o sexo de maneria muito mais explícita, enquanto no cinema isto não é aceito.

Questionado sobre filmes pornográficos, Winterbottom confessou, durante a coletiva “que já assistiu a alguns” e adiantou que seu filme não se encaixa na categoria pornô, “porque esses tipos de produção têm outro tratamento de som e fotografia”

Durante as filmagens, consideradas difíceis para os atores, segundo o diretor, devido às cenas reais de sexo, “as improvisações tiveram um papel fundamento, pois o procedimento permitiu que ambos (os atores) pudessem expressar seus desejos”.

Uma parte importante da história protagonizada por Lisa e Matt tem relação direta com a música que é apresentada no filme. Ali figuram bandas como Primal Scream, Super Furry Animals, Elbow, The Von Bondies, Black Rebel e The Dandy Warhols, além de Michael Nyman em seu 60º aniversário. Se em seu filme anterior, A festa nunca termina (exibido no ano passado no Festival do Rio), Winterbottom mostra a música de Manchester dos anos 80, nesse filme o diretor apresenta o que há mais recente no cenário do rock londrino.

Apesar dos maus presságios que rodeiam o futuro de 9 Songs, o filme de Winterbottom obteve classificação para maiores de 18 anos no Reino Unido e também será lançado nos Estados Unidos e na Espanha. O diretor, que estreou na Gran-Bretanha com Código 46 (filme que poderá ser conferido no Festival do Rio deste ano), com Tim Robbins e Samantha Morton, já prepara seu próximo filme – uma adaptação do clássico Tristan Shandy, do século XVIII.