Direita alemã quer construir muro para conter refugiados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 20 de outubro de 2015 as 17:00, por: cdb

Por Gabriella Ramos/Sputnik-Brasil – de Berlim

Enquanto a política de refugiados do governo alemão enfrenta o descrédito da maior parte da população, a maioria dos deputados do próprio partido da Chanceler Angela Merkel arquiteta planos para construir um sistema de defesa de arame farpado ao longo das fronteiras orientais da Alemanha, segundo relata o jornal Bild. Solução parecida ocorreu logo após a II Guerra Mundial.

Milhares de imigrantes cruzam os campos da Alemanha, rumo à capital Berlim
Milhares de imigrantes cruzam os campos da Alemanha, rumo à capital Berlim

De acordo com a publicação alemã, 188 dos 310 deputados que formam a coligação governista dos partidos conservadores União Democrática Cristã (UDC) e União Social Cristã (USC) têm apoiado um “plano secreto” para tentar conter o fluxo de refugiados entrando no país, que atualmente é estimado em cerca de 10 mil pessoas por dia.

O jornal relata que as propostas do projeto incluiriam a construção de uma cerca de arame farpado ao longo das fronteiras orientais da Alemanha – medida semelhante à tomada pela Hungria – e a criação de barricadas similares às que foram destruídas após a queda do Muro de Berlim. O deputado Christian von Stetten (UDC), defensor da iniciativa, disse ao Bild que o governo deveria considerar a opção de levantar novos muros na fronteira do país, e que o plano seria votado dentro de duas semanas.

A declaração vem na sequência de um pedido feito pelo líder de um dos maiores sindicatos da polícia alemã para que o governo construísse uma cerca ao longo da fronteira com a Áustria. Rainer Wendt, presidente da União Federal de Polícia da Alemanha (DPolG), disse que tal medida desencadearia uma reação em cadeia entre outros países da Europa Central e do Leste Europeu, interrompendo enfim o fluxo de refugiados para o continente – que ele alega ser insustentável nos níveis atuais.

O deputado von Stetten, por sua parte, afirmou estar confiante de que o governo vai conseguir elaborar um plano para frear o número crescente de refugiados, mas reconheceu que o chamado plano secreto para construir um muro ao longo das fronteiras do país poderia se tornar realidade.

A ideia de levantar um muro de tamanhas proporções na Alemanha carrega um significativo peso histórico no país que encarnou por quase 30 anos, no simbolismo do Muro de Berlim, a divisão do mundo em dois blocos isolados. Além disso, o plano também representa um verdadeiro pesadelo político para Merkel, que tem rejeitado todas as propostas neste sentido, inclusive condenado a Hungria por ter adotado medidas semelhantes.

Dissidência na base

Neste contexto, o projeto também é visto como um importante sinal da dissidência contra a chanceler por parte dos deputados de sua própria base, que se mostra cada vez mais descontente com a maneira com que Berlim tem lidado com a crise dos refugiados.

Apesar de agências e organizações de ajuda humanitária elogiarem a Alemanha por permitir a entrada massiva de refugiados em seu território, particularmente no que diz respeito aos que fogem da guerra na Síria, outros grupos atacam o governo, alegando que a abertura do país em tal proporção colocará a economia e a estrutura social Alemanha sob pressão.

De fato, a popularidade de Merkel caiu para seus níveis mais baixos nos últimos meses, em meio à crescente insatisfação com a política governamental de gerenciamento da crise de refugiados. Uma pesquisa de opinião divulgada na semana passada revela que dois terços dos alemães (64%) não concorda com a insistência da chanceler em dizer que a Alemanha será capaz de “gerir” a situação em curso.

Enquanto o governo prevê que 800 mil refugiados entrarão no país apenas este ano, outros relatórios sugerem que o número real pode chegar a 1,5 milhão, se Berlim continuar resistindo ao estabelecimento de um limite para o número de pessoas que o país vai aceitar.

No último sábado (17), Henriette Reker, candidata favorita à Prefeitura da cidade de Colônia, uma das maiores da Alemanha, foi esfaqueada em um mercado público. De acordo com a polícia, o homem que a atacou disse que “os estrangeiros” motivaram a agressão. Mais especificamente, ele teria afirmado que a política de recepção a refugiados defendida por Reker — a mesma patrocinada por Merkel — era a razão de seu ato de xenofobia.

Por outro lado, ainda parece haver muitos braços abertos no país para os refugiados. Lembrando as diversas manifestações de solidariedade testemunhadas nas arquibancadas dos estádios, nas estações e nas ruas alemãs, Carlos Felipe Morgado, brasileiro que vive no país europeu desde 2013, afirma que “há um monte de pessoas na Alemanha com braços, mentes e corações abertos esperando a chegada dos refugiados”.

Seja como for, o clima de dissidência no país, além de acirrar a animosidade política contra refugiados e imigrantes, definitivamente representa uma preocupação a mais para Merkel, que já enfrenta o maior desafio de seus 10 anos na liderança da maior potência econômica da União Europeia, afirma a correspondente da Sputnik-Brasil.