Direção da Estácio teria pedido a adulteração das imagens na fita

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de maio de 2003 as 09:03, por: cdb

Em depoimento na Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), o gerente de tecnologia da Telesegurança (empresa responsável pelo circuito de vídeo da Universidade Estácio de Sá), Carlos Luís Ferreira Duarte, acusou diretores da Vigban (que responde pela segurança no campus) e da Estácio de o coagirem a piorar as imagens que registravam o tiroteio na universidade, dia 5, e seriam enviadas à polícia.

Ele disse que também tentaram convencê-lo a não copiar a cena da câmera 10 em que um homem aparece no circuito interno de TV apontando uma arma em direção a outro. O tiro acabou atingindo a estudante Luciana Gonçalves de Novaes, 19 anos. Ambos os pedidos teriam sido recusados.