Dirceu critica governadores que não querem receber Beira-Mar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 31 de março de 2003 as 22:03, por: cdb

Em tom de desabafo, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, criticou nesta segunda-feira, duramente, sem citar nomes, o comportamento de governadores e autoridades que se recusaram a manter preso em seus Estados o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, transferido na semana passada de Presidente Bernardes (SP) para Maceió (AL).

“Me envergonho de certos comportamentos que não levam em consideração o interesse nacional e não têm nenhum sentido patriótico. O Brasil precisa agora que todos se unam na luta contra o crime organizado, não pode haver interesse regional, não pode haver interesse setorial”, disse Dirceu, ao participar do seminário Diálogo para um Novo Contrato Social, no Palácio do Planalto.

De Maceió, Beira-Mar deveria ser levado para um presídio no Piauí, mas isso também parece estar descartado agora. Como a penitenciária ainda não está pronta, o governo precisava de um local para manter o traficante por 40 dias, o que exigiu intensa negociação.

Além das autoridades locais, é comum a população das cidades cogitadas resistir à idéia da transferência e da construção de penitenciárias federais de alta segurança.

“Acho uma tragédia para o País os comportamentos individualistas que nós estamos vendo, que não levam em conta o interesse nacional e a gravidade do problema. Porque se o governo federal não pode construir penitenciárias e não pode transferir os presos de alta periculosidade para nenhum Estado, o que deve fazer o governo federal: cruzar os braços? Fechar os olhos para a gravidade do problema do narcotráfico e do crime organizado?”, questionou Dirceu.

O ministro afirmou que o combate ao crime organizado e ao narcotráfico deve ser executado antes que seja tarde demais. “Quero dizer com bastante clareza: ou nós enfrentamos o crime organizado e o narcotráfico agora, já, ou o País vai se arrepender amargamente no futuro, como já está se arrependendo de não ter enfrentado há dez anos”, disse Dirceu.

“O governo federal, os Estados e municípios precisam se unir para combater o crime organizado e não ficar nessa lenga-lenga que nós estamos ouvindo.” E concluiu: “Parece que nós vamos ter que ficar passeando por penitenciárias e passeando com presos por todo o Brasil.”