Dirceu confia que reformas serão aprovadas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 29 de abril de 2003 as 21:52, por: cdb

Ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu está confiante que o governo terá maioria no PT e o apoio dos partidos aliados para aprovar até outubro, no Congresso Nacional, as reformas tributária e da Previdência. Em entrevista hoje ao programa “Bom Dia Brasil”, da Rede Globo de televisão, ele disse que as reformas são muito importantes para o país e defendeu o debate e o diálogo com vários setores da sociedade. Ele só fez uma ressalva: de que na democracia é a decisão da maioria é que prevalece, salientando que o governo pretende “convencer” os contrários ou indecisos da importacia das duas propostas, que serão levadas amanhã ao Congresso pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os 27 governadores do país.

“O que posso assegurar ao país, como fiz na votação da PEC192 (que muda o Artigo 192 da Constituição e permite alterar o sistema financeiro nacional), é que a bancada do PT vai votar. Nós temos maioria no partido, na bancada. O debate é necessário tanto na bancada do PT quanto com os aliados, como na sociedade. As reformas tributária e da Previdência são muito importantes, é preciso debatê-las, esclarecê-las, convencer. Isto nós vamos fazer e estamos fazendo”, afirmou, lembrando que o próprio presidente Lula deu início hoje, em encontro com parlamantares petistas e aliados, às discussões que ele, José Dirceu, o presidente do PT, José Genoíno, e o ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, pretendem encaminhar nos próximos meses com outros segmentos da sociedade. “Isso é democracia. Agora, na democracia, é a decisão da maioria que vale. O que não pode ser feito é discutir, debater, votar e depois não cumprir a decisão da maioria”, afirmou.

José Dirceu disse estar consciente de que a questão da taxação dos inativos é polêmica, mas lembrou que este ítem da reforma da Previdência tem o apois dos 27 governadores, que têm consciência da gravidade das contas públicas nos estados, inclusive com grande parte deles revertendo até 60% da despesa de pessoal com o pagamento dos inativos.

O ministro José Dirceu salientou que o governo não tem medo de defender as propostas contidas na reforma da Previdência. “Nós vamos negociar, vamos procurar atender a maioria da sociedade. Nós vamos tomar as decisões sem medo, vamos tomar as decisões que são necessárias para o país”, completou. O forum para as negociações, de acordo com ele, é o Congresso. “O debate deve ser feito no Congresso Nacional. Quem pactua o país é o Congresso Nacional. Nós vamos no Congresso pactuar essas reformas, os governadores e o presidente da República, com os deputados e senadores, com as deputadas e senadoras”.

Indagado sobre as divegências existentes no PDT e no PCdoB, partidos aliados que possuem ministros no governo (Miro Teixeira, nas Comunicações, do PDT; e Agnello Queiroz, no Esporte, do PCdoB) com a reforma da Previdência, o ministro-chefe da Casa Civil disse que o governo também pretende dialogar com deputados e senadores dessas legendas.

No caso de Miro Teixeira, Dirceu afirmou que ele tem consciência de sua responsabilidade e lembrou que o PDT se absteve em votar a PEC 192. “O ministro Miro Teixeira, o país conhece, é um parlamentar, um dirigente político com responsabilidade. Ele tem consciência da situação que está vivendo”.