Dinheiro de sem-terra pode ter seguido para campanha de tucano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de outubro de 2001 as 16:07, por: cdb

Agentes da Polícia Federal continuam percorrendo os quatro projetos de colonização do Incra existentes em Boca do Acre, no Amazonas, onde recolhem depoimentos de presidentes de associação de produtores e dos moradores sobre o desvio de pelo menos R$ 1,95 milhão dos créditos de implantação, fomento e alimentação.

O dinheiro, que deveria ter sido usado para financiar a construção de casas, compra de ferramentas e alimentos para as mais de 500 famílias assentadas pelo Incra em Boca do Acre, a 228 quilômetros de Rio Branco, teria sido usado para ajudar a bancar a campanha eleitoral do prefeito Iran Lima (PSDB).

O desvio teria sido feito pelo próprio chefe do escritório do Incra naquela cidade, Francisco Sales Penna, que hoje ocupa o cargo de secretário municipal da Educação no município.

Vários comerciantes de Rio Branco já foram ouvidos pelos agentes da PF que trabalham no caso há cerca de um mês. As casas comerciais, especialmente, supermercados e lojas de produtos agrícolas, teriam sido usadas para descontar os cheques.

Para facilitar a operação, Penna teria pedido aos presidentes das associações de produtores, em sua maioria semi-analfabetos, que assinassem todas as folhas de cinco talões de cheques, com as quais sacou o dinheiro destinado às 500 famílias. A cada uma correspondia um valor de R$ 3,9 mil.

A PF e o Ministério Público Federal, por enquanto, evitam fazer comentários sobre o caso, mas admitem que, se comprovadas as denúncias de uso do dinheiro do Incra para a campanha eleitoral do prefeito, ele poderá ser cassado.