Dinamarca e Suécia são finalistas do Campeonato Mundial Júnior de Handebol

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 5 de setembro de 2003 as 16:23, por: cdb

Em duas semifinais de tirar o fôlego, Dinamarca e Suécia garantiram na noite desta quinta-feira vaga na grande final do Campeonato Mundial Júnior Masculino de Handebol. Os dinamarqueses precisaram de muito sangue frio para vencer de virada a Espanha por 31 a 30 (14 a 16), no Ginásio Costa Cavalcanti, em Foz do Iguaçu (PR). A Suécia também esteve em desvantagem na primeira etapa, mas derrotou a Eslovênia com apenas dois gols de vantagem: 33 a 31 (13 a 14), na quadra do Ginásio Joelson Marcelino, em São Miguel do Iguaçu (PR).

A decisão do ouro está marcada para as 15h de amanhã, na preliminar, às 12h30, Espanha e Eslovênia disputam o bronze. Também neste sábado, o Brasil volta à quadra para lutar pelo sétimo lugar do Mundial, enfrentando a Polônia, às 20h05.

A Espanha chegou a estar cinco gols na frente da Dinamarca no primeiro tempo. Permitiu que os adversários reagissem e, aos quatro minutos da segunda parcial, os dinamarqueses viraram o jogo: 18 a 17. Depois disso, não perderam mais a vantagem, mesmo após o placar estar empatado em três oportunidades: 20 a 20 aos 11 minutos; 23 a 23 aos 17 minutos; e 24 a 24 aos 18 minutos.

Quando a campainha soou, anunciando o final da partida, a quadra foi invadida pelos torcedores da Dinamarca e os jogadores não esconderam a felicidade, nem o alívio de estar na final, principalmente após quase ficarem fora da segunda fase.

– Desde que partimos para o Brasil, sabíamos que o nosso grupo era muito duro. É inacreditável termos passado por todas as dificuldades e estarmos na final – afirmou Jensen, autor de dois gols. O artilheiro da partida foi Svensson, com oito gols.

A Suécia também passou por muita dificuldade para bater a Eslovênia. Muitas vezes teve o placar adverso e precisou suar muito para chegar ao resultado positivo. “Foi um jogo muito quente. Tivemos problemas com o nosso sistema defensivo”, disse o técnico da Suécia, Ingemar Linnell. Ele também contou que sua equipe teve dificuldades para parar o grandalhão esloveno Miladin Kozlina, de 1,97 m e 107 kg, que foi o artilheiro da partida com 10 gols. Para isso, colocou o rápido Fredrik Petersen para marcá-lo individualmente e, assim, conseguir anular um pouco o forte armador rival.