Dilma Rousseff afirma que Petrobras “vira uma página”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 25 de abril de 2015 as 11:16, por: cdb
A presidenta Dilma Rousseff
A presidenta Dilma Rousseff

 

A presidente Dilma Rousseff afirmou que a divulgação do balanço auditado de 2014 da Petrobras marca uma nova fase da empresa. Enquanto aguardava a chegada da presidente sul-coreana, Park Geun-hye, no Palácio Itamaraty, em Brasília, nesta sexta-feira, Dilma foi perguntada pelos jornalistas se a divulgação marcava uma nova era da petrolífera brasileira. A presidente respondeu: “sem sombra de dúvida”.

Mais tarde, Dilma comentou o balanço da Petrobras e disse que a estatal agora “vira uma página”. Para a presidente, a empresa superou os “problemas de gestão” levantados pelas investigações da Operação Lava Jato.

– Considero muito importante a aprovação do balanço, porque a Petrobras vira uma página, acerta seu passo, e tenho certeza de que a Petrobras vai dar ainda muitas alegrias para nós nos próximos meses e anos – afirmou Dilma. “Ao concluir e registrar o seu balanço, ela mostra também que superou todos os problemas de gestão ligados à questão da Lava Jato que, porventura, ainda estivessem pesando, justamente pela necessidade de se fazer o registro das perdas.”

A presidente ainda destacou que a estatal receberá, pela terceira vez, o OTC Distinguished Achievement Award, maior prêmio concedido a uma empresa de petróleo por seu desenvolvimento tecnológico.

Prejuízo de 21,6 bilhões de reais

O balanço auditado de 2014 da Petrobras foi divulgado na quarta-feira passada e mostrou que a estatal teve um prejuízo total de 21,6 bilhões de reais. Destes, 6,2 bilhões de reais foram perdas referentes à corrupção. A queda nos ganhos da empresa deveu-se ainda à desvalorização de ativos, orçada em 44,6 bilhões de reais.

A Petrobras terminou o ano de 2014 com 68,9 bilhões de reais em caixa. De acordo com a companhia, a produção de petróleo e gás natural cresceu 5% em relação a 2013.

A estatal adiou a divulgação das demonstrações contábeis do terceiro trimestre de 2014 após auditores da PricewaterhouseCoopers (PwC) recusarem-se a assinar o documento, em novembro. O resultado não auditado foi lançado em janeiro para atender as obrigações do contrato da dívida, sob o risco de ter que antecipar pagamento de débitos nos Estados Unidos.

– Os dados são resultado de um intenso esforço. Estabelecemos um modelo contábil capaz de dimensionar os desvios e de redefinir os valores dos ativos. Projetamos como isso atingiu o patrimônio e calculamos as perdas – explicou o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, no dia da divulgação. “O balanço foi ratificado pela auditoria externa sem nenhuma ressalva.”