Dilma reclama do termo “faxina” e diz que demissões não vão pautar governo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de agosto de 2011 as 16:34, por: cdb

Luciana Lima
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff disse hoje que não vai pautar seu governo por demissões e considerou inadequado o termo “faxina”, usado pela imprensa para se referir às demissões de funcionários públicos acusados de envolvimento em esquemas de corrupção. “Faxina, no meu governo, é faxina contra a pobreza, o resto são ossos do ofício da Presidência, e isso não se interrompe”, disse a presidenta, após o lançamento do programa de microcrédito Crescer, no Palácio do Planalto.

“Essa pauta de demissões, que fazem ranking, não é adequada para um governo.” Dilma destacou que esta é uma pauta que ela jamais vai assumir. “Não se demite, nem se faz escala de demissão, nem se quer demissão todos os dias. Isso não é, de fato, Roma antiga?”, perguntou Dilma. Ela disse que, em qualquer atividade inadequada ou malfeita que for constatada no governo, será mantida a presunção de inocência e serão tomadas providências.

“O que eu não vou aceitar, em hipótese alguma, é que alguma pessoa do meu governo seja condenada sem respeitar os preceitos da Justiça moderna, respeito aos direitos individuais e liberdades. A lei é igual para todos. Não tem quem esteja acima da lei. É importantíssimo respeitar a dignidade da pessoas e não submetê-las a condições ultrajantes”, concluiu Dilma.

A presidenta fez as declarações em resposta a uma pergunta sobre a possibilidade de novas demissões. Nos oito meses de governo Dilma, foram demitidos quatro ministros e diversos dirigentes de órgãos públicos. Antonio Palocci deixou a Casa Civil após denúncias sobre um grande crescimento de seu patrimônio durante o período em que era deputado federal; Alfredo Nascimento saiu em meio a denúncias de superfaturamento de obras na pasta dos Transportes; Nelson Jobim, que deixou o Ministério da Defesa depois de ter feito declarações polêmicas; e Wagner Rossi, que pediu demissão da pasta da Agricultura em meio a denúncia de corrupção no setor.

Recentemente, mais quatro ministros tiveram os nomes envolvidos em denúncias publicadas pela imprensa:  Pedro Novais, do Turismo, Mário Negromonte, das Cidades, Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, e  seu marido, Paulo Bernardo, ministro das Comunicações.

Edição: Nádia Franco
 

Comments are closed.