Dilma no Twitter, nega críticas a quem se exilou durante a ditadura

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 13 de abril de 2010 as 14:01, por: cdb

Pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff negou, nesta terça-feira, em seu Twitter (microblog), que as críticas de seu discurso no sábado, em São Bernardo do Campo, tenham sido um ataque a quem se exilou do país durante a ditadura militar. Na página, a ministra afirma que “vai seguir em frente” e que houve “falsas interpretações de suas palavras”.

“A quem interessa criar interpretações falsas sobre as minhas palavras? Não importa, a verdade se impõe.Vou seguir em frente”, disse Dilma, que já reúne quase 19 mil seguidores no Twitter que lançou no domingo.

Ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a candidata afirmou:

– Eu não fujo da situação quando ela fica difícil. Eu não tenho medo da luta.

A declaração foi vista como uma crítica ao seu opositor, o pré-candidato do PSDB, José Serra, que durante a ditadura se exilou no Chile. Dilma permaneceu no Brasil durante o regime militar, indo para a clandestinidade. Na véspera, Dilma já tinha negado no Twitter a crítica a quem se exilou durante a ditadura:

“De onde tiraram que fugir da luta é se exilar? O exílio significou a diferença entre a vida e a morte para os exilados brasileiros. Grandes amigos meus, corajosos e valorosos, só tiveram uma saída na ditadura, se exilar”, escreveu.

Para Serra, a declaração foi “surpreendente”, mas seria “escorregão” de sua adversária:

– Quem ia ser preso saiu do Brasil para não ir para a prisão. Há muitos, muitos, muitos companheiros de partido da Dilma que também foram exilados por esse motivo – disse o pré-candidato tucano à Presidência.

Já a pré-candidata do PV, senadora Marina Silva (AC), disse que o exílio foi uma forma de proteção dos opositores ao regime militar.

– Os que saíram do Brasil não fugiram. Eles fizeram um ato de legítima defesa de sua vida. É assim que a pessoa faz quando se sente ameaçada: age em legítima defesa – disse, após participar de seminário promovido pela revista Carta Capital em São Paulo.