Dilma inova ao falar aos brasileiros pela Internet no 1º de Maio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de abril de 2015 as 13:41, por: cdb
A presidenta Dilma Rousseff
Dilma Rousseff

 

Maria de Fátima pegou o trem cedo em Nova Iguaçu na terça-feira. Tinha uma missão: passar numa loja de eletrodomésticos famosa em Madureira para comprar um jogo de panelas barato, de alumínio. A patroa avisou:

-Quero um jogo de panelas daqueles bem vagabundos, com cinco peças. Quero receber com sinfonia a Dilma lá em casa na sexta-feira (1 de maio). Veja aqui no jornal: cinco peças, com tampas. Custa R$ 184.

Missão cumprida. Quando Maria de Fátima desembarcou no ap. da patroa por volta do meio dia, ouviu, além do esporro por conta do atraso, o seguinte comentário:

– Como é que vocês cozinham com isso? Leve que parece papel! Deve até fazer mal!!! Aqui em casa que não quero isso. Na segunda-feira leva de presente pra você. Se não tiver muito amassada, claro!!!

Mas eis que Dilma Rousseff, sabendo das intenções da patroa de Maria de Fátima, fez o que há muito deveria ter feito: trocado seus pronunciamentos exclusivos de rádio e TV, há tempos são sonorizados por utensílios domésticos nestes tempos pós-eleitorais, por disponibilização de um vídeo na Internet. Vê quem quer e na hora que quiser. E se desejar, poderá rever mais adiante.

Defensores da criança e ampliação das novas mídias, os grupos de jornalismo independente viram ressabiados a decisão de Dilma. Interpretaram como acovardamento diante dos protestos eminentes. Discordo. Acho sim que driblar o opressor é tarefa política das mais astutas. E usar uma ferramenta alternativa que a faça chegar às massas é obrigação de todo governante. Especialmente se vive em um país onde a concentração da mídia é asfixiante e se restringe a um oligopólio familiar que dispensa apresentações. Todas as homenagens à Dilma.

Mas a medida pode e deve ser ampliada: acredito que a presidenta deveria começar a despachar em canais da Internet e dizer: “Vou assinar aqui um convênio que vai ampliar o sistema de saúde infantil no Sertão do Araripe. Cobre do seu prefeito”.

E mais, acrescentar:

– Se o recurso não chegar telefone para o número que está na tela e nos informe. O meu secretário aqui ao lado, fulano de tal, vai acompanhar sua aplicação!

Pronto: o Brasil inteiro ganharia com a agilidade que a Internet daria à presidenta e à administração pública. As coletivas seriam igualmente transmitidas Ao Vivo na Internet para evitar interpretações dúbias que muitas vezes nos chegam quando apresentadas exclusivamente pelos veículos tradicionais de imprensa.

Outro dia, por exemplo, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, concedeu exclusividade à Veja, a mesma revista para quem Dilma diz não conceder entrevista. Não deveria ele, por solidariedade à presidenta e ao modelo de pluralidade da Comunicação, tê-la feito também via Internet? Para que todos os sites, blogs e redes sociais reproduzissem, opinassem e criticassem?

A chegada da Internet como meio democrático de Comunicação, e ao mesmo tempo acessível a todos, é um fato consumado. Independe da concordância de empresários ou tecnocratas do meio. O passo que Dilma dá, e que merece, como já foi dito, aplausos, deveria ser expandido e instituído oficialmente.

Bem -indo à nova era da Comunicação.

Ah, a panela, novinha, já foi doada para Maria de Fátima. E em nome dela todos nós agradecemos.

 

Fábio Lau é jornalista, editor-chefe do portal de notícias Conexão Jornalismo.