Dilma faz refundação retórica do governo e tira ‘faxina ética’ da pauta

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de agosto de 2011 as 08:32, por: cdb

A queda do petista Antonio Palocci da chefia da Casa Civil produziu uma refundação do governo, ao obrigar a presidenta Dilma Rousseff a rever o modelo de relação política que tentara estabelecer de início com partidos aliados. Dois meses depois, de novo por motivos políticos, Dilma promove outra refundação, desta vez retórica, com o objetivo de botar no topo da agenda brasileira aquilo que, afinal, está por trás de seu slogan oficial, “país rico é país sem pobreza”.

A declaração mais enfática de que a prioridade zero do governo é a agenda econômica, que melhora a vida das pessoas e faz o país crescer, e não a agenda moral, que causa atritos com aliados e dá munição a adversários,declarou Dilma na quarta-feira.

– Essa pauta de demissões não é adequada para um governo e eu jamais vou assumir. Não se demite nem se faz escala de demissão, nem sequer demissão todos os dias. Isso não é, de fato, Roma antiga, afirmou a presidenta. “Faxina Não é o centro do meu governo. O centro do meu governo é fazer uma faxina contra a pobreza.

Nos últimos dias, a presidenta já tinha dado diversos sinais de que gostaria de inverter prioridades, como Carta Maior relatara. Mas não havia sido tão incisiva quanto agora.

Na véspera, Dilma participara de jantar na residência oficial do vice-presidente, Michel Temer, com líderes e parlamentares do PMDB. O partido de Temer já perdeu dois ministros (Wagner Rossi, da Agricultura, e Nelson Jobim, da Defesa) e tem um terceiro alvejado por denúncias de corrupção – Pedro Novais (Turismo).

O PMDB é um dos dois maiores partidos governistas. Tem a maior bancada do Senado (20, das 81 cadeiras). E a segunda da Câmara (80, dos 513 assentos).

As denúncias contra Novais atingiram o outro grande aliado do Planalto, o PT (86 deputados e 13 senadores). Algumas das supostas irregularidades no ministério teriam origem na gestão do PT no ministério, ainda no governo Lula.

Para explorar mais a politicamente a “faxina contra a pobreza”, segundo Carta Maior apurou, Dilma vai botar cada vez mais peso nos atos regionais de assinatura de pactos de erradicação da miséria com governadores.

A presidenta já tinha encomendado à ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campelo, que organizasse lançamentos do programa Brasil sem Miséria nas cinco regiões. Já ocorreram dois – no Nordeste (Alagoas), dia 25 de julho, e no Sudeste (São Paulo), dia 18 de agosto. O próximo será no Norte (Amazonas), dia 5 de setembro.

O evento em São Paulo teve uma presença até à véspera desconhecida para Dilma, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Segundo Carta Maior apurou, o convite ao tucano não partiu da Presidência, nem do ministério do Desenvolvimento Social, mas do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em cuja residência oficial o evento aconteceu.

Quando deu as declarações à imprensa sobre faxina e agenda econômica, Dilma tinha acabado de participar de um evento que também se encaixa no esforço de restabelecer prioridades.

Ela e o ministro da Fazenda havia anunciado a reformulação de um programa de microcrédito, para pessoas pobres, criado no governo Lula. Os quatro bancos públicos vão cortar fortemente a taxa de juros cobrada (de 60% para 8% ao ano). Vão priorizar empréstimos destinados a atividades produtivas (montar uma barraquinha de pipoca, por exemplo), em vez de consumo (compra de TV, por exemplo). E, até 2013, quer multiplicar por quatro a clientela beneficiada e o volume de dinheiro emprestado.