Dilma afirma que microcrédito será alavanca para negócios

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de agosto de 2011 as 06:52, por: cdb

A promessa é oferecer crédito para costureiras, pipoqueiros e artesãos do Brasil. Segundo a presidenta Dilma Rousseff, o programa de microcrédito para pequenos empreendedores lançado na semana passada será alavanca para negócios no país. Nesta segunda-feira, em sua participação no Café com a Presidenta, ela lembrou que a taxa de juros cobrada pelo Programa Nacional de Microcrédito (Crescer) será equivalente a pouco mais de um décimo do praticado normalmente pelos bancos.

Por essa diferença, Dilma acredita que os empréstimos não serão um “peso” para os empresários, mas um “empurrãozinho”. Segundo o governo, 3,4 milhões de pessoas devem ser atendidas até 2013, com empréstimos de até R$ 15 mil para ampliar os negócios. Para profissionais com faturamento de até R$ 120 mil ao ano, a abertura de crédito também será mais baixa  de 3% para 1% do valor emprestado.

“A partir de agora, o pequeno empreendedor que pegar dinheiro emprestado vai pagar uma taxa de juros bem mais baixa, de apenas 8% ao ano. Antes, a taxa de juros chegava a 60% ao ano”, disse. A presidenta descreveu o programa como uma forma de “criar empregos e oportunidades” e de oferecer a pequenos empreendedores condições de “conquistar uma vida melhor”.

Foram estabelecidas metas a quatro bancos públicos federais de execução de empréstimos. Banco do Nordeste, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco da Amazônia têm a missão de emprestar R$ 654 milhões nas linhas de financiamento do Crescer até o final do ano. Pelo menos 734 mil clientes precisam sair das agências com o crédito. No próximo ano, a exigência chega a R$ 1,73 bilhão para 2,24 milhões de pessoas. Em 2013, novo aumento: R$ 3 bilhões a R$ 3,46 milhões de empreendedores.