Dieese estima em R$ 36 bilhões recursos do 13º em circulação na economia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de novembro de 2003 as 15:25, por: cdb

Até o final do ano, R$ 36 bilhões serão aplicados na economia brasileira, depois que 50 milhões de trabalhadores receberem o 13º salário. O valor equivale a 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. A pesquisa divulgada nesta quinta-feira pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese) indica, ainda, que 25% desse valor será pago a beneficiários do Instituto Nacional do Seguro social (INSS) e 75% a assalariados com carteira assinada. O cálculo não inclui autônomos, assalariados sem carteira, empregados domésticos ou aqueles cujos empregadores parcelam o pagamento do 13º ao longo do ano.

O estudo, elaborado a partir de dados dos ministérios do Trabalho e Emprego e da Previdência e Assistência Social, apontou um crescimento de 4,5% no número de pessoas que receberão 13º, apesar das elevadas taxas de desemprego. O valor médio nacional do 13º é R$ 718, 32. Brasília tem a maior média nacional (R$ 1.531,51) e o Piauí, a menor (R$ 338,05).

Segundo o Dieese, os dados representam, na verdade, uma estimativa do que é injetado no mercado brasileiro ao longo do ano e não somente nos dois últimos meses. Mas o departamento acredita que a maior parte desses R$ 36 bilhões seja paga somente no fim do ano, com o 13º salário.