Diálogos diretos no Oriente Médio serão necessários, diz ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 18 de março de 2010 as 10:12, por: cdb

Líderes israelenses e palestinos não têm alternativa senão realizar negociações diretas no futuro, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki- moon, nesta quinta-feira. Ban, que ainda repetiu as críticas contra o plano israelense de construção de mais casas em Jerusalém Oriental, disse que esperava que um encontro do quarteto internacional de mediadores do Oriente Médio em Moscou, na sexta-feira, poderia ajudar os difíceis esforços pela paz em um momento crucial.

Os planos de Israel de construir mais 1.600 casas para judeus nos territórios ocupados da Cisjordânia anexados a Jerusalém geraram tensões entre Israel e os Estados Unidos, e trouxe dúvidas sobre os planos dos EUA nos diálogos de “aproximação”.

Enfatizando os problemas de retomar os diálogos de paz, Ban disse que as negociações indiretas entre Israel e os palestinos não eram o “o melhor cenário”.

– Ainda vale a pena tentar – disse ele à rádio russa Ekho Moskvy.

No entanto, ele acrescentou: “Diálogos de aproximação devem levar a negociações diretas posteriormente”.

– Não existe alternativa às negociações diretas – disse Ban, que viajará ao Oriente Médio depois da reunião na sexta-feira em Moscou com a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, e a chefe de política externa da UE, Catherine Ashton.

– A reunião do quarteto está sendo realizada em um momento crucial – disse.

Ban também reiterou críticas aos planos de construir novas casas para judeus em Jerusalém Oriental, que Israel anunciou na semana passada durante visita do vice-presidente dos EUA, Joe Biden.

– Ficamos muito decepcionados com o que aconteceu – disse Ban.

– Israel anunciou um novo plano de assentamento… que foi fortemente condenado pelo quarteto.”
As potências mundiais “ficaram frustradas por não conseguirem ver progresso no assunto –acrescentou.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, indicou que não haveria diálogos de aproximação a não ser que Israel interrompesse a construção dos assentamentos.