Desemprego se mantém constante nos últimos meses

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de setembro de 2001 as 13:04, por: cdb

A taxa de desemprego ficou em 6,2% em agosto, segundo os dados divulgados, nesta sexta-feira, na Pesquisa Mensal de Emprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice é o menor no mês desde agosto de 1997, quando foi de 6%. A taxa manteve-se constante em relação a julho (6,2%), e apresentou queda em relação a agosto de 2000 (7,1%).

Segundo o IBGE, a média registrada nos oito primeiros meses deste ano foi de 6,2%, também inferior ao mesmo período do ano passado (7,6%). A queda da taxa em agosto sobre o mesmo período de 2000 ocorreu devido à redução da população economicamente ativa. O IBGE estima uma redução de 213 mil pessoas, de agosto do ano passado para o mesmo mês desse ano, sendo que desse total, 16 mil pessoas deixaram de trabalhar e 197 mil pessoas deixaram de procurar trabalho.

Dados conflitantes

O resultado da pesquisa do IBGE não bate com os dados da Fundação Seade/Dieese, divulgados nesta quinta-feira, que mediu a taxa de desemprego da região metropolitana de São Paulo em agosto.

A pesquisa da Fundação Seade/Dieese revelou que a taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo foi de 17,7% em agosto, o que representou um aumento de 2,3% em relação a julho, quando o índice foi de 17,3%.

Segundo a Fundação Seade/Dieese, o aumento do desemprego de agosto foi pressionado pela entrada de 68 mil pessoas no mercado de trabalho, não compensada pela geração de novos postos de trabalho, já que foram criadas apenas 19 mil ocupações.

O IBGE e a Fundação Seade/Dieese trabalham com metodologias diferentes de pesquisa de emprego e desemprego. A Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE classifica como desempregada uma pessoa que procurou emprego nos últimos sete dias.

O Dieese/Seade inclui na taxa de desemprego aberto quem procurou emprego nos nos últimos 30 dias.

Para alguns analistas, a pesquisa do Dieese é mais fiel à realidade, já que o tempo de procura por um emprego em São Paulo é de 46 semanas. Como o tempo de desemprego é muito longo, muitas pessoas deixam de procurar emprego constantemente.