Deputados questionam capacidade de fiscalização do poder público

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de junho de 2011 as 10:40, por: cdb

O deputado Ademir Camilo (PDT-MG) afirmou no seminário sobre fiscalização de recursos públicos que o modelo atual de transferência voluntária de recursos, por meio de convênios, está esgotado. O parlamentar questionou a possibilidade de os órgãos fiscalizarem, de forma separada, apenas os recursos federais. Para ele, muitas vezes, há uma sobreposição de esforços na fiscalização de recursos, já que é difícil separar o controle de acordo com a origem do recurso aplicado.

O deputado Alfredo Kaefer (PSDB-PR) sugeriu que as ações de governo sejam descentralizadas para facilitar a aplicação dos recursos. Para ele, a aproximação com a iniciativa privada pode tornar mais clara a aplicação dos recursos. O deputado Professor Sétimo (PMDB-BA) defendeu que o controle esteja dentro do município e das prefeituras, e que seja interno e envolva a comunidade por meio de conselhos.

O deputado Delegado Waldir (PSDB-GO) criticou o fato de que a recuperação de créditos não ser prioridade do governo. Para ele, os recursos federais “estão indo para o ralo”, e o cidadão, que não sabe quais são os órgãos de controle, apenas percebe que há obras paradas. “Seria interessante mostrar ao cidadão por que a obra está parada e quais as responsabilidades”, sugeriu.

Recursos da Copa do Mundo
O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) fez um alerta aos órgãos responsáveis pela fiscalização da isenção fiscal concedida à Fifa de tributos federais, estaduais e municipais. Segundo ele, o benefício deve gerar renúncia fiscal da ordem de R$ 3 bilhões. “Diante das recentes denúncias relativas à Fifa, creio que temos que ser mais cautelosos. A Fifa pode delegar as atividades para a realização da Copa e estão sendo montadas empresas para receber esses incentivos fiscais”, afirmou.

O representante do TCU no seminário, Guilherme de La Roque, explicou que o tribunal fiscaliza regularmente a renúncia de receitas, que alcançou, em 2010, R$ 130 bilhões. Ele esclareceu que o TCU sempre fiscaliza a aplicação de recursos públicos, mesmo quando destinados a entidades privadas.

Continue acompanhando esta cobertura

Tempo real:11:52 – AGU: 60% dos réus em processos de desvios de recursos são prefeitos11:32 – CGU quer acesso a dados sigilosos para fiscalizar recursos públicos11:18 – Dirigentes de órgãos públicos defendem integração para combater desvios08:32 – Seminário discute fiscalização e controle de recursos públicosReportagem – Rachel Librelon
Edição – Wilson Silveira