Deputado português é acusado de pedofilia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de maio de 2003 as 00:03, por: cdb

Suspeitas de pedofilia atingiram esta quarta-feira o deputado e ex-ministro socialista Paulo Pedroso, levando o secretário-geral do PS, Ferro Rodrigues, a falar numa maquinação destinada a arrasar o partido e o inquérito à Casa Pia.

Paulo Pedroso, 38 anos, divorciado, com uma filha, licenciado em sociologia, foi ministro de António Guterres – que já se disponibilizou para ser sua testemunha abonatória – e secretário de Estado de Ferro Rodrigues, de quem é considerado próximo.

O próprio Paulo Pedroso anunciou numa conferência de imprensa no parlamento estar sob suspeita no processo de pedofilia envolvendo alunos da Casa Pia, organismo que tutelou indiretamente enquanto ministro do Trabalho.

Pedroso, que além de deputado é porta-voz do PS, declarou-se inocente e deixou claro não pretender valer-se da condição de deputado para evitar ser ouvido pelo Tribunal de Instrução Criminal (TIC), onde deu entrada três horas depois.

Levantada de imediato a imunidade parlamentar, primeiro pela Comissão de Ética, depois pelo plenário da Assembleia da República, Paulo Pedroso recebeu sinais de solidariedade de deputados de outros partidos e companheiros de bancada.

A mensagem mais clara surgiu do próprio Ferro Rodrigues, que numa declaração à imprensa revelou ter tido conhecimento da existência de uma “montagem organizada” por pessoas com “pseudoprovas” para envolver não só o nome de Paulo Pedroso, como o do próprio líder socialista no escândalo da pedofilia.

O líder do PS disse desconhecer a origem das “calúnias” que atingem membros do seu partido.

– Sei que há uma óbvia vontade de atirar o meu nome para a lama, envolvendo-o no processo sobre crimes de pedofilia na Casa Pia. Pode ser o último combate da minha vida, mas darei um combate tremendo contra esses testemunhos forjados – garantiu o secretário- geral socialista.