Deputado alemão pede perdão por anti-semitismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de novembro de 2003 as 11:00, por: cdb

O deputado alemão da União Democrata Cristã (CDU) Martin Hohmann, expulso por anti-semitismo pela cúpula do partido, pediu perdão e solicitou que o processo para sua exclusão seja interrompido. Na segunda-feira, a CDU abriu um procedimento para expulsar Hohmann do partido e da bancada parlamentar pelo discurso que pronunciou no dia 3 de outubro, Dia da Unidade alemã, no qual qualificava os judeus como “povo culpado” por sua implicação em crimes dos bolcheviques.

– Me desculpei repetidamente. Estou disposto a fazer o que for para sanar os danos que provoquei e peço, de novo, perdão – diz Hohmann, em um e-mail dirigido aos deputados conservadores, divulgado hoje pela revista Focus. O deputado conservador afirma lamentar profundamente o fato de ser tachado de anti-semita, o que atribui a uma má interpretação de seu texto, que conduziu a um “escândalo midiático”.

A decisão da CDU foi tomada depois de uma semana de grande rebuliço na Alemanha, de críticas generalizadas contra Hohmann e da destituição do general Reinhard Günzel, comandante das Forças Especiais (KSK), que enviou uma carta de felicitação ao deputado. Por outro lado, vários correligionários de Hohmann se pronunciaram contra sua expulsão do partido.

A cúpula da CDU e sua ala bávara, a União Social-cristã de Baviera (CSU) mandaram Hohmann abandonar sua cadeira até sexta-feira. Até agora, o deputado se recusou a deixar voluntariamente o partido, razão pela qual amanhã ele deverá ser submetido a uma votação dos 248 deputados do grupo parlamentar sobre sua expulsão.