Depressão atinge 30 milhões de chineses

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 18 de maio de 2007 as 15:57, por: cdb

A China tem 30 milhões de deprimidos, dos quais apenas 10% fazem tratamento médico. Segundo um jornal chinês, essa seria uma conseqüência direta da marginalização e preconceitos sociais que cercam as pessoas com transtornos psiquiátricos nesse país. A situação se agrava devido à escassez de psiquiatras, só 17 mil em toda a China, ou um só profissional para cada 76 mil pessoas, dez vezes menos que nos países ocidentais.

O subdiretor da Associação de Psiquiatras Chineses, Hao Wei, lembrou em um congresso realizado em Xangai que mais de 60% dos chineses com depressão poderiam se beneficiar de um tratamento médico adequado e da ajuda dos profissionais.

Hao lamentou que sejam poucos os médicos disponíveis, e criticou que o investimento em atendimento psiquiátrico é insuficiente na China, onde 75% dos casos de depressão são diagnosticados por médicos, não psiquiatras.

Ele mostrou seu apoio aos médicos que receitam antidepressivos, rejeitados na China devido a seus efeitos colaterais, mas úteis para enfrentar a doença.

No entanto, acima dos problemas estruturais, Hao ressaltou que o grande obstáculo a ser superado continua sendo o estigma na China que cerca as pessoas com problemas psiquiátricos, que impede a maioria de ir aos centros correspondentes.

O custo econômico da depressão, em termos de tratamento médico e perda de mão-de-obra, fica em cerca de US$ 7,8 bilhões na China, e a doença tem maior incidência nas zonas rurais e entre mulheres.