Depois do adernamento da P-34, mais 2 acidentes ocorrem na Petrobras

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de outubro de 2002 as 01:51, por: cdb

Depois do adernamento da plataforma P-34, ocorreram mais dois acidentes em unidades da Petrobras. Um funcionário terceirizado morreu na quinta-feira passada a bordo de um rebocador que prestava serviço à estatal. Ontem, houve um incêndio, sem vítimas, numa unidade de gás na Bahia.

O marinheiro Maurício Romário dos Santos morreu quando trabalhava num rebocador no campo de Coral Sul (bacia de Santos), no litoral do Paraná. A embarcação é de propriedade da empresa BOS Navegações, contratada pela Petrobras.

Santos morreu ao ser atingido por um cabo do sistema de ancoragem do barco. No acidente, o norueguês Bafin Bederson, contramestre do navio, ficou ferido com gravidade.

Na tarde de ontem, um incêndio destruiu parcialmente a unidade de compressão de gás natural do campo de Miranga (bacia do Recôncavo), em Pojuca (BA). O fogo começou quando funcionários da empresa faziam a manutenção de um gasoduto. Ninguém ficou ferido, segundo a Petrobras.

A estatal informa que a unidade deve voltar a funcionar normalmente a partir da próxima quarta-feira.

No último dia 13, uma pane elétrica afetou o sistema de estabilidade da P-34, deixando a plataforma adernada por quatro dias, sob risco de afundar. A unidade, já estabilizada, ainda não voltou a produzir.

De acordo com a FUP (Federação Única dos Petroleiros), 124 trabalhadores morreram em unidades da Petrobras desde 1998. Desses, 94 eram terceirizados.