Delegado que investiga grampos na Bahia tem o celular grampeado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de abril de 2003 as 11:15, por: cdb

O delegado da Polícia Federal Gesival Gomes, que está investigando os grampos telefônicos ilegais na Bahia, foi vítima do mesmo tipo de crime que apura. Por incrível que pareça, Gesival teve seu telefone grampeado. O crime foi descoberto na noite de terça-feira e, ontem pela manhã, a Coordenação Geral de Telemática da Polícia Federal bloqueou o número e o trocou por outro.

A descoberta foi feita pela empresa de telefonia Vivo durante um rastreamento, procedimeno de rotina em se tratando de telefones de agentes federais. A empresa descobriu que o telefone do delegado, úm aparelho da Polícia Federal habilitado em Brasília, estava funcionando em outra estação. O telefone de Gesival havia sido clonado e, portanto, toda vez que seu celular chamava, um outro aparelho também tocava, recebendo a mesma mensagem. Essa foi a mesma tática usada nos outros casos de grampo na Bahia.

O grampo pode ter sido feito em Salvador ou em qualquer outra cidade do País. “O relatório completo será repassado para nós, inclusive sobre o período que o aparelho ficou grampeado”, disse Gesival Gomes.

O delegado não sabe ainda a extensão do crime. Gesival disse que,em tese, o grampo foi feito pelo mesmo grupo que ele investiga no inquérito policial.

“Pelo tamanho da coisa que aconteceu aqui na Bahia, não me espanta que também tenham grampeado meu telefone para saber como estão indo as investigações”, disse. Gesival ressalta que a Vivo informou que há a possibilidade de saber qual a antena estava fazendo a escuta. A Polícia Federal vai abrir um inquérito para apurar o crime.